Por rafael.arantes

Rio - Se o Brasil se depara com os diversos protestos contra o aumento do valor das passagens e até mesmo em oposição aos altos gastos do governo com os eventos da Fifa, a Seleção está diante de um pedido especial. Ciente da situação entre população e governantes, o ex-jogador Petkovic não se recusou a falar sobre a polêmica questão. O recado do sérvio é para a equipe de Felipão, que tem a possibilidade de dar alegria extra para cada brasileiro.

"A Seleção sempre será cobrada, somos milhões de treinadores no Brasil. Mas, no geral, quando a equipe entrar em campo precisa esquecer um pouco desses problemas e continuar lutando para dar alegrias para o povo. O futebol é uma grande paixão do brasileiro, então, dar uma alegria dessas para a população é algo que pode ajudar cada um a esquecer um pouco dos problemas e ser feliz por um momento", afirmou.

Pet comentou recentes manifestações no Brasil e fez pedido para a Seleção: 'Deem alegria ao povo'Rafael Arantes / Agência O Dia

Ao ser questionado sobre as constantes manifestações e protestos que ocorrem por todo o Brasil, Pet também se mostrou bastante claro. De acordo com o craque, a importância de ver o povo brasileiro demonstrando sua insatisfação com as atuais condições do país é primordial, mas alguns detalhes ainda atrapalham o processo. Para o ex-jogador, a realização da própria Copa do Mundo pode ser um dos fatores positivos para a melhoria do Brasil, que precisa, urgentemente, de uma evolução em diversos aspectos.

"O maior defeito do brasileiro, e me sinto metade brasileiro, é ser acomodado. Não procurar e não buscar seus direitos. Acho que muita coisa está acontecendo. Os protestos pela Copa estão rolando, mas não tem nada a ver manter o foco apenas nisso. Muitas coisas precisam ser melhoradas e isso todo mundo sabe, mas ninguém quis correr atrás. Grandes eventos são boas oportunidades de conseguirmos melhorias em alguns fatores para o país. O mais certo é que precisamos cobrar, mas sem essa coisa de quebra-quebra. A população tem razão em estar insatisfeita com muita coisa, mas sabemos que também há questões que surgem em razão da oposição política. Temos de manter a calma e não misturar as coisas, não podemos dar um tiro no nosso próprio pé. Temos de cobrar, sim. Não podemos levar isso sem dar atenção", finalizou.

Você pode gostar