Flamengo não é páreo para o Orlando Magic e perde no NBA Global Games

Rubro-negro abusa dos erros ofensivos e não consegue sua revanche contra os americanos, após serem derrotados nos Estados Unidos no ano passado

Por pedro.logato

Rio - Atuando em casa, o Flamengo não conseguiu aproveitar a chance de ter sua revanche contra o Orlando Magic, após perder nos Estados Unidos por 106 a 88, e acabou sendo derrotado neste sábado por 90 a 73, na HSBC Arena, pelo NBA Global Games. Com um público bom, mas abaixo do esperado, o Fla teve o apoio de costume das arquibancadas somente no último quarto, quando conseguiu achar o seu jogo e venceu a parcial por 22 a 12. No restante da partida, a equipe carioca foi amplamente dominada pelo americanos, que não permitiram uma aproximação do Fla.

Cestinha da partida e principal nome do Orlando Magic, Nikola Vucevic acabou a partida com 18 pontos e sete rebotes. Outro nome forte da equipe da NBA foi Victor Oladipo com 13 pontos e nove rebotes. O armador Shabazz Napier também foi outro fator e contribuiu com 14 pontos. Já pelo Flamengo, o experiente Marcelinho Machado, de 40 anos, foi o destaque rubro-negro com 17 pontos e três bolas de longe. Também vindo do banco, JP Batista com 13 pontos e seis rebotes foi outro fator para o Fla.

Flamengo não conseguiu acompanhar o ritmo do Orlando Magic Alexandre Loureiro / Inovafoto / Divulgação

O Jogo

Apesar da Arena apoiando, o Flamengo começou a partida desligado e com erros consecutivos, principalmente de Marquinhos, viu o Orlando abrir 10 a 2 em bola de Napier. Rafael Mineiro, em sua estréia pelo Fla, foi o responsável pela primeira cesta carioca. Porém, o rubro-negro abusava dos erros de bola no ataque e com uma bola de 3 no contra-ataque, Oladipo colocou a vantagem do Orlando na casa dos dois dígitos: 13 a 2. Foi a deixa para Neto parar o jogo e conversar com o time.

LEIA MAIS: Basquete, vôlei, tênis e muito mais: acompanhe os esportes olímpicos

Em menos de cinco minutos, o Flamengo já havia cometido seis erros. Com Marcelinho, Olivinha e JP Batista em quadra, o Fla ressurgiu no jogo, principalmente pelas mãos do experiente ala-armador que com 7 pontos fez a equipe carioca engrenar no ataque. Porém, a franquia da Flórida seguiu consistente e finalizou o primeiro quarto com 27 a 16.

Cheerleaders do Orlando marcaram presença na partidaGaspar Nobrega / Inovafoto

Na volta para o segundo tempo, Neto manteve o quinteto que reagiu na primeira parte e com uma sequência de 5 a 2, cortou a diferença no placar para 29 a 21 para os americanos. Porém, a reação parou por aí e o Orlando voltou a crescer no jogo e conseguiu a sua maior vantagem na partida: 35 a 21. Sem precisar ter uma atuação espetacular, a franquia da Flórida administrava sua vantagem com tranquilidade e não corria grandes riscos. COm calma, os Magics encerraram o primeiro tempo com folga no placar: 51 a 34.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

O início do terceiro quarto não apresentou mudanças em relação ao primeiro tempo. Flamengo abusando dos erros no ataque, sem conseguir encontrar seu ritmo, enquanto o Orlando não desperdiçava suas chances. Com uma sequência de 8 a 1 nos dois minutos iniciais, os Magics abriram a maior vantagem no placar: 59 a 35. Completamente desorganizado, o Fla só assistia a exibição de gala da dupla Oladipo e Vucevic que fazia o que queria contra a defesa rubro-negra.

Torcida do Flamengo compareceu no HSBC ArenaAlexandre Loureiro / Inovafoto / Divulgação

Toda vez em que o a equipe carioca tentava esboçar algum tipo de reação, acabava se sabotando e abusando dos erros. Cirúrgicos e efetivos, os Magics mantiveram sua superioridade e foram para o último quarto com 27 pontos de frente: 78 a 51.

FOTOGALERIA: Flamengo não resiste a intensidade do Orlando e acaba derrotado

Apesar da vitória encaminhada no último quarto, a torcida rubro-negra presente à Arena HSBC não queria saber do placar e fez sua festa com direito a ôla e muito barulho. Dentro de quadra, o Fla até esboçou alguma reação no placar e iniciou com uma sequência de 8 a 1, cortando a vantagem do Orlando para 79 a 61. Sempre consistente com as suas bolas de três, Marcelinho era o líder rubro-negro dentro de quadra e tentava comandar uma improvável virada. Como alento, a equipe de José Neto pelo menos conseguiu ter uma boa atuação no último quarto e venceu a parcial por 22 a 12, mas a vitória do Orlando já estava garantida por 90 a 73.


Reportagem de Edsel Britto e Fabio Klotz

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia