Obina relembra luta contra medidor de gordura no Flamengo: 'Passava óleo e chegava grandão'

Atacante relata dificuldades com o peso na época em que defendia o Rubro-Negro

Por O Dia

Obina
Obina -

Rio - Um dos ídolos recentes da torcida do Flamengo, Obina foi o convidado da semana do canal Pilhado, no Youtube. Em entrevista ao jornalista Thiago Asmar, o folclórico ex-atacante relembrou o período em que enfrentou uma batalha contra a balança.

"No Flamengo, Ave Maria, o que eu sofria… Todo jogo que perdia o Obina estava gordo, mas quando ganhava estava bem demais. Eu dizia: ‘meu Deus, o que eu vou fazer?’. Eu não dormia no dia de medir percentual de gordura. Chego até suar quando falo sobre isso, é sério. Quando eu estava lá, comecei a perceber que aquele pegador do percentual, aquele grampinho, deslizava. Eu passava um óleozinho na barriga e ia", revelou o ex-jogador.

Sempre bem-humorado, ele contou que ficava "apavorado" ao ver o percentual de gordura de seus companheiros.

"Imagina, ia tirar o de Léo Moura, dava 2 ou 3%, ia no Kleberson, era 5 ou 6%, pegava no meu e dava 15/12%. Tá errado, tem coisa errada aí (risos). Eu passava o óleo e chegava grandão. O cara pegava o de todo mundo e eu ficava escondido, vou deixar pra ser o último. Tinha gente, como o Ibson, o Toró, que falavam assim: ‘Obina, estão te chamando’. O pessoal do vestiário parava para ver. Eu dizia: ‘Velho, não sou eu não, é outro aí. Os caras estão na fila’, os caras cediam o lugar: ‘Vai, pô. É você’", completou.

Comentários