Justiça autoriza liberação do Ninho do Urubu

Acordo com o Ministério Público, assinado na terça, foi homologado

Por O Dia

Bandeira do Flamengo permanece a meio-mastro no CT do Ninho do Urubu, onde ocorreu o incêndio
Bandeira do Flamengo permanece a meio-mastro no CT do Ninho do Urubu, onde ocorreu o incêndio -
Rio - Três meses após o incêndio que matou dez atletas das categorias de base do Flamengo, o Ninho do Urubu pode funcionar sem qualquer impedimento.  O juiz Pedro Henrique Alves, da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, homologou o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) que autoriza a liberação completa do CT, além de anular um processo de 2015 que denunciava ilegalidades do local.
Flamengo e Ministério Público chegaram a um acordo nesta terça-feira, ao assinarem o TAC, que impõe algumas condições  que o clube precisará cumprir.  O documento dependia apenas da homologação para ser validade, o que aconteceu nesta sexta. Com isso, volta a ser permitido pernoite no CT, proibido desde o incêndio, dia 8 de fevereiro.
Para obter a liberação definitiva, o Flamengo precisa cumprir agora uma série de exigências dispostas no TAC, inclusive algumas do Corpo de Bombeiros e Secretaria de Urbanismo e Vigilância Sanitária, que também fizeram algumas exigências durante a audiência.
O elenco profissional treina normalmente no CT desde março, mas as categorias de base só voltaram a usar a estrutura há duas semanas, exclusivamente para os treinos. Agora, os jogadores voltarão a utilizar o alojamentar e se alimentar no local. 

Comentários