Rodolfo Landim vê como difícil um prazo para acordo com famílias de vítimas do incêndio do Ninho

Tragédia vai completar um ano no próximo dia 8

Por Lance

Rodolfo Landim
Rodolfo Landim -
Rio - O Flamengo deu explicações e esclarecimentos sobre a tragédia do Ninho do Urubu, que vai completar um ano no dia 8 de fevereiro. O presidente Rodolfo Landim, o vice geral e jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee, e o CEO do clube, Reinaldo Belotti, foram entrevistados pelo Fla TV. O mandatário do clube da Gávea comentou sobre as negociações com as famílias das vítimas do incêndio no Centro de Treinamento.

"Impossível dizer (prazo). A gente pode dizer que está aberto para que esses acordos venham a ocorrer. (...) Isso depende não só do Flamengo. Depende das famílias e do tempo delas. Muito difícil estabelecer um prazo. A gente vai estar sempre aberto para fazer esse tipo de acordo", disse Landim.

Os entrevistados foram questionados se as questões do Ministério Público e dos órgãos de fiscalização foram atendidas. De acordo com os dirigentes, tudo está resolvido.

"A gente tinha duas vertentes principais nessa questão: documentação e envolvendo a Vara da Infância e do Adolescente. Na questão de documentação, envolvia Corpo de Bombeiros e Prefeitura. Elas foram sanadas. O Flamengo tem o alvará e toda a documentação OK hoje em dia. Com relação à Vara da Infância e do Adolescente, fizemos com o MP um TAC (termo de ajustamento de conduta) prevendo medidas de segurança, educação, saúde e acompanhamento psicológico. Basicamente tudo o que o Flamengo já tinha, com algum aprimoramento sugerido pelo MP. Esse TAC tem acompanhamento anual, mas pode ser inferior. Isso será perene. Por trabalhar com menores de 18 anos, o Flamengo sempre terá um acompanhamento. Como tinha. Mas foi importante ter esse procedimento padrão para saber todo o necessário. O juiz homologou e está tudo certo", afirmou Rodrigo Dunshee.

"Nós não conseguimos o alvará na Justiça. Conseguimos o alvará seguindo todos os procedimentos necessários para ter o alvará. Além do alvará, conseguimos o habite-se. Hoje, o Ninho tem o alvará e o habite-se dando pelos órgãos competentes seguindo tudo o que era necessário. Tivemos aqui muito mais do que MP e prefeitura fazendo verificações internas. Por exemplo, a Vigilância Sanitária esteve aqui, e nós passamos com louvor, sem nenhum tipo de observação", complementou Belotti.

Um ponto questionado foi um possível interrogatório interno. Segundo o CEO do Flamengo, não houve qualquer tipo de inquérito, porém teve mudanças na estruturas do clube.

"Apesar do Flamengo não ter aberto nenhum tipo de inquérito interno, nós usamos essa tragédia para reanalisar procedimentos, melhorar a nossa atuação em casos desse tipo. Mudamos toda a nossa estrutura de acompanhamento de assuntos relacionados a saúde, meio ambiente e segurança operacional e reavaliamos procedimentos e os melhoramos", disse Reinaldo Belotti.

Um dos pontos levantados foi a questão da interrogação da torcida. Há muitos comentários em que o clube gasta dinheiro somente com os jogadores e não procura indenizar as famílias das vítimas. O vice geral e jurídico do Flamengo, Rodrigo, nega essa postura do clube.

"Eu tenho notado que essa é uma indagação que incomoda o torcedor rubro-negro. Mas isso é mais uma mentira. É uma picuinha de adversários ou de parte da mídia. O Flamengo fez uma oferta de pagamento altíssima. E essa oferta está à disposição de quem queira fazer o acordo. Não há nenhuma ordem judicial para que o Flamengo pague nenhum valor nesse momento. O único valor que o Flamengo tem que pagar são os R$ 10 mil por mês, e estamos pagando. Então, algumas pessoas olham a questão sob o aspecto do copo vazio. Quando se tem de olhar o comportamento do Flamengo nesses 11 meses por outro ângulo. O Flamengo se colocou totalmente à disposição das famílias, o Flamengo ofereceu valores bem altos comparados ao que se paga no Brasil, o Flamengo está à disposição para fazer esses pagamentos no dia seguinte que as famílias quiserem, o Flamengo não está se recusando a fazer os acordos. Então, a torcida tem de ter consciência de que o Flamengo não está se furtando da sua responsabilidade", afirmou.

Junto a isso, o Flamengo foi um dos clubes que mais lucrou com a temporada 2019, consequentemente, mexeria significativamente no bolso do clube para acelerar no acordo com as famílias das vítimas. Segundo o dirigente, os processos são completamente distintos.

"Esses são processos totalmente distintos. Um são os danos que a gente causou às famílias, e outro é o resultado econômico do clube. Então, por exemplo, se o clube tivesse tido um resultado esportivo ruim, um resultado financeiro ruim e tivesse dado prejuízo, por acaso, o clube não teria mais responsabilidade para pagar essas famílias? Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, totalmente diferente. É importante dissociar as coisas. O Flamengo tem responsabilidade sobre a indenização dessas famílias, e ela será estabelecida em cima de critérios que a gente está avaliando para esse caso específico", afirmou Landim.

O incêndio de grandes proporções atingiu o Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na madrugada do dia 8 de fevereiro de 2019. O Corpo de Bombeiros foi chamado às 5h17 e informou que 10 pessoas morreram, todos jogadores da base do clube entre 14 e 16 anos. Três jovens entre 14 e 15 anos também ficaram feridos.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários