Galvão: 'Talvez eu morresse narrando o gol do Flamengo aos 47 na final da Libertadores'

Narrador sofreu um infarto e precisou ser afastado da decisão

Por Lance

Galvão Bueno
Galvão Bueno -
Rio - Em novembro de 2019, o narrador Galvão Bueno assustou o Brasil inteiro quando seu ataque cardíaco foi noticiado há poucos dias da final da Libertadores entre Flamengo e River Plate. Recuperado, hoje relembra o ocorrido. Durante a gravação do programa 'Altas Horas', que irá ao ar no próximo sábado (7), Galvão relembrou como tudo ocorreu ao lado de sua esposa.
 

Galeria de Fotos

Galvão Bueno Reprodução
Galvão foi internado no sábado Reprodução
Galvão Bueno Reprodução
Galvão Bueno Reprodução de TV
Galvão Bueno Reprodução de TV
Galvão Bueno será substituído no jogo de amanhã por Luis Roberto Reprodução / TV
 
"Eu tive um infarto. Foi uma artéria secundária. Agradeço a minha mulher por estar comigo. Fomos jantar e comecei a passar mal de madrugada. Achei que fosse uma indisposição. Quando acordei ela começou a tomar as providências. O médico falou 'vai para o hospital'. Ela me levou porque eu não iria. Para mim era um mal-estar. Começou a doer o peito e o braço esquerdo e achei melhor ir", afirmou.
 
Ele também citou o episódio de quando acordou após a cirurgia cardíaca, sentindo dores após o fim do efeito da anestesia. Além disso, ele ainda citou que poderia morrer narrando o segundo gol de Gabigol na final da Libertadores.
 
"Falei, doutor, me ajuda. Ele me disse para respirar fundo. Estava doendo para caramba. Talvez eu morresse narrando o gol do Flamengo aos 47 do segundo tempo", finalizou.

Comentários