Rio de Janeiro - 15/02/2019 - Ministério Público diz que prefeitura interditou CT do Flamengo. Na foto acima o Rodrigo Dunshee de Abranches, vice-jurídico do Flamengo. Foto: Luciano Belford/Agência O Dia - Luciano Belford/Agência O Dia
Rio de Janeiro - 15/02/2019 - Ministério Público diz que prefeitura interditou CT do Flamengo. Na foto acima o Rodrigo Dunshee de Abranches, vice-jurídico do Flamengo. Foto: Luciano Belford/Agência O DiaLuciano Belford/Agência O Dia
Por O Dia
Rio - O vice-presidente geral e jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, criticou a CBF por não acatar o pedido do clube pelo adiamento da partida contra o Palmeiras, no próximo domingo. Na opinião do dirigente, faltou sensibilidade à entidade, visto que o clube carioca tem 16 jogadores com a Covid-19.
Publicidade
"A CBF tem que proteger os clubes e os jogadores do Brasil e eles não estão fazendo isso. Eles estão errados ao ignorar os nossos laudos médicos que exigem nossa quarentena. Está faltando sensibilidade em um momento de surto. Protocolos podem ter situações delicadas como aconteceu em uma viagem de oito dias. A gente aprendeu que não dá para fazer esse tipo de viagem", declarou Dunshee à Fox Sports.
"É uma irresponsabilidade colocar funcionários do Flamengo que participaram dessa viagem com outros que não participaram antes desse prazo, incluindo quem vai participar da partida e nossos atletas da base. Entendemos que a CBF se apegou ao regulamento e não aos laudos médicos, que determinam que não haja essa partida porque são necessários cinco dias para os testes negativos serem realmente negativos. (...) Isso pode passar para os jogadores do Palmeiras e eles vão testar negativo até o jogo seguinte e podem passar para outro time. Então, existe uma determinação médica. A CBF está ignorando a quarentena do Flamengo. Nosso caso é diferente", completou.