Rafinha - Alexandre Vidal / Flamengo
RafinhaAlexandre Vidal / Flamengo
Por O Dia
Rio - O lateral direito, Rafinha, em apenas um ano vestindo a camisa do Flamengo, conseguiu entrar para a história do clube. Apesar de ter deixado o clube em 2020 para se aventurar no futebol grego, o jogador garante que não perdeu a identificação com o rubro-negro.
No último domingo, o atleta publicou em suas redes sociais imagens assistindo o jogo a vitória do Flamengo sobre o Corinthians, por 5x1. Além disso, em entrevista ao site "ge.com", comentou sobre a sua passagem no clube e que "incorporou" o que é ser flamenguista.
Publicidade
"Só tenho a agradecer a Deus, porque foi um ano maravilhoso. Só faltou o Mundial, que escapou, mas os outros títulos estão na sala de troféus do Flamengo. Acho que o ano de 2019 vai ser um ano que vai ficar guardado na memória do flamenguista pelo jeito que tudo ocorreu. A gente só tem que agradecer a todos os torcedores que viveram tudo aquilo com a gente. Levei quase tudo. Então, foi um ano espetacular. Foi realmente fantástico. Só tenho a agradecer a esse clube e a essa torcida maravilhosa que eu tive a felicidade de fazer parte da história", disse o lateral.

"Criei um laço muito forte com essa rapaziada aí, com os funcionários desse clube, a identidade. Incorporei mesmo essa vida de flamenguista. De um cara que trabalha para esse clube, que gosta desse clube. Foi o que eu aprendi nesse ano que fiquei aí: a gostar do Flamengo, a amar o Flamengo. Assisto quando posso, falo sempre com meus amigos daí, ligo sempre para os meninos, falo com os funcionários. Saí daí, mas estou aí ainda. Sempre falo com o pessoal, sempre dando uma força, falando com os moleques mais novos, que são meus filhos. Fico muito feliz. Os moleques estão arrebentando", completou.
Rafinha chegou para jogar pelo Flamengo em junho de 2019 e disputou 46 partidas e deu seis assistências. Durante a passagem pelo rubro-negro, colecionou títulos: campeão Brasileiro, da Libertadores da America, Carioca, Supercopa do Brasil e Recopa Sul-Americana. O jogador se despediu do Brasil em agosto de 2020 e foi para o Olympiakos, da Grécia.