Rodrigo Caio teve uma atuação segura no duelo com Pedro Raul - Daniel Castelo Branco
Rodrigo Caio teve uma atuação segura no duelo com Pedro RaulDaniel Castelo Branco
Por O Dia
DIEGO ALVES: Pouco exigido, fez boa defesa na cobrança de falta de Kalou já no fim do clássico. NOTA 6
ISLA: Sem trabalho na defesa, foi ótima opção de ataque pela direita, mas os cruzamentos não estavam calibrados neste sábado. NOTA 5,5
Publicidade
RODRIGO CAIO: Em evolução, teve uma atuação segura com precisas antecipações no duelo com Pedro Raul. NOTA 6,5
GUSTAVO HENRIQUE: Na mira da torcida, o zagueiro não transmitiu muita confiança, mas não comprometia até os 43 minutos do segundo tempo, quando foi expulso ao agarrar Lucas Campos na entrada da área. NOTA 3,5
Publicidade
FILIPE LUÍS: Teve liberdade e trocou boas tabelas com Gérson e Arrascaeta. Só faltou caprichar no cruzamento. NOTA 6
WILLIAN ARÃO: Seguro na marcação, deu liberdade para Gerson avançar ao longo do clássico. NOTA 5,5
Publicidade
GERSON: Conseguiu dar fluidez ao jogo com passes rápidos e longos lançamentos. Atento, interceptou o passe de Marcinho e deixou Everton Ribeiro em boas condições para finalizar e marcar. NOTA 6,5
ARRASCAETA: Acertou um primoroso lançamento para Bruno Henrique, que quase abriu o placar. Mas oscilou e pouco apareceu no segundo tempo. NOTA 5,5
Publicidade
EVERTON RIBEIRO: Contrariou Rogério Ceni e insistiu na bola aérea. Com a bola no chão, mostrou categoria para vencer Cavalieri num chute no canto direito. NOTA 6,5
MICHAEL: Entrou no fim. SEM NOTA 
Publicidade
BRUNO HENRIQUE: Teve uma boa chance no início do clássico. No geral, teve uma atuação discreta, aquém do 'Rei do Clássicos' de 2019. NOTA 5,5
VITINHO: Entrou com vontade, mas faltou capricho no último passes. NOTA 5,5
Publicidade
PEDRO: Bem marcado, não conseguiu aproveitar a 'chuva' de bolas áreas do Flamengo no jogo. NOTA 5,5
RODRIGO MUNIZ: Entrou no fim e sofreu a falta que originou a expulsão de Victor Luís. SEM NOTA 
Publicidade
TÉCNICO: ROGÉRIO CENI: O treinador bem que pediu que a bola fosse trabalhada no chão, mas o Flamengo insistiu na bola aérea e criou poucas chances. Na defesa, Gustavo Henrique quase comprometeu, mais uma vez. NOTA 5,5