Máquina Tricolor consolidou o amor de Dado Villa-Lobos pelo Fluminense

Personagem na série 'O meu coração tricolor', músico confia em reação no Brasileiro e pede mais paciência com jogadores

Por fabio.klotz

Rio - Os dois têm o sangue da música em suas veias. O Fluminense, um clube que historicamente teve grande gênios da música brasileira como torcedores: Cartola, Chico Buarque e Gilberto Gil. E Dado, que desde pequeno, mesmo não conhecendo, ouvia falar das obras do seu tio Heitor Villa-Lobos. Mais velho, ao lado de Renato Russo e Marcelo Bonfá, ele faria parte da Legião Urbana. O músico é mais um personagem da série "O meu coração tricolor".

Dado Villa-Lobos admite momento complicado%2C mas leva fé no FluDivulgação

Desde pequeno também, o músico, que nasceu na Bélgica, mas cresceu em Brasília, entrou em contato com o Fluminense. Nascido em 1965, com poucos anos de vida, Dado ja havia escolhido o Tricolor e seu ídolo.

"Comecei a ser Fluminense desde muito cedo. Tinha o Félix como ídolo. Depois que ele foi para a Seleção de 1970, cresceu ainda mais o meu sentimento pelo Fluminense", afirmou.

>>> LEIA MAIS: Skylab é diferente até no amor pelo Fluminense
>>> LEIA MAIS: Tricolor de coração, Toni Platão torce pelo retorno de Conca

Porém, apesar do carinho pela equipe de Félix, Flávio, Cafuringa e Lula, Dado, assim como a maioria dos tricolores, outro grande esquadrão nos anos 70 marcou o músico.

"A máquina de Rivellino foi uma equipe muito importante também para me formar tricolor. Aquele time era fantástico, o Fluminense era sem dúvida a melhor equipe do Brasil", disse.

O atual momento do Fluminense não é dos melhores. Após ser campeão brasileiro em 2012, a equipe está na briga contra o rebaixamento neste ano. Para Dado, o momento é mesmo complicado e a torcida tricolor deve entender isso.

"Acho que a torcida tem de ter mais paciência com alguns jogadores. Acredito que o momento é complicado, mas vamos sair dessa, eu sempre acredito no Fluminense", contou.

Para 2014, o músico sonha como o retorno de um dos maiores ídolos da história recente. Para o ex-guitarrista da Legião Urbana, o bom planejamento para a próxima temporada passa por essa contratação.

"Temos de recontratar o Conca com urgência. Creio que se ele estivesse na equipe não estaríamos passando por isso. Em 2014, com ele, nós vamos ter um ano melhor", concluiu.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia