Marcão diz que seu dever como técnico interino no Fluminense foi cumprido

Com a chegada de Levir Culpi, Marcão volta a ser auxiliar e deixa o comando da equipe com duas vitórias no Carioca

Por edsel.britto

Rio - Com o dever de fazer a transição entre um técnico e outro no Fluminense, Marcão cumpriu sua missão com maestria e com 100%: duas vitórias em dois jogos. Auxiliar técnico permanente do Tricolor volta a exercer sua função e dá lugar a Levir Culpi a partir desta segunda-feira. 

"A sensação é de dever cumprido. Estávamos em uma situação realmente de muita pressão e precisávamos reagir. Eu contribuí um pouquinho, mas quem conseguiu foram eles. Falaram, escutaram, se dedicaram... Acho que o Levir vai pegar um grupo muito forte e que se cobra muito. O Levir vai estar muito à vontade para fazer um grande trabalho", afirmou Marcão em entrevista coletiva após a vitória por 1 a 0 sobre o América.

Marcão diz que seu dever como técnico interino do Fluminense foi cumpridoNelson Perez/ Fluminense F.C. / Divulgação

Marcão diz que já conversou com Levir Culpi e passou sua visão e informações sobre o Fluminense para o novo treinador: "Nós conversamos antes do jogo e fomos passando as informações individualmente sobre cada jogador. Tudo que eu puder contribuir, vou fazer. Ele já tem uma boa noção do Fluminense. Deve ter assistido ao último jogo, e neste agora acompanhou do estádio. Tudo o que ele precisar do Marcão e de todo staff vai ter todo o suporte possível. O Levir é um técnico de ponta, conhece cada atalho do trabalho. Esperamos que ele se sinta em casa o mais rápido possível."

Conhecedor profundo do atual elenco do Fluminense, Marcão aproveitou que estava no comando e acabou dando chances para alguns jogadores que não tinham espaço com Eduardo Baptista, tal como Edson, e destacou o desempenho desses jogadores.

"Foi importante. Nós sabemos do potencial deste grupo, e naquele momento (após a demissão de Eduardo Baptista) achamos importante trazer as pessoas que, de alguma forma, ainda não tinham encaixado. E eles foram muito profissionais, entenderam a mensagem. O Edson voltou muito forte e, desde o primeiro tempo ele estava sentindo um desconforto mas foi até o final. O Marlon, que tem uma qualidade absurda... o Magno, que dispensa comentários. Sou amigo dele, nossas famílias são amigas. Não tinha dúvida de que se ele entrasse, a bola que ele tiver ele vai colocar para dentro. Não dá para você passar uma recomendação para o Magno, apenas "Vai com alegria, vai feliz". E foi desse jeito. Ele foi leve, feliz."

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia