Um pesadelo que parece não ter fim no Fluminense

Sem salário, time iguala marca histórica negativa, de 567 minutos sem gol, e ainda convive com 4% de risco de queda

Por

Salvador, BA - Brasil - 22/11/2018 - Fonte Nova - Marcelo Oliveira
Campeonato Brasileiro. 36ª Rodada. Jogo Fluminense x Bahia.
FOTO DE MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC

IMPORTANTE: Imagem destinada a uso institucional e divulgação, seu uso comercial está vetado incondicionalmente por seu autor e o Fluminense Football Club.

IMPORTANT: Image intended for institutional use and distribution. Commercial use is prohibited unconditionally by its author and Fluminense Football Club

IMPORTANTE: Imágen para uso solamente institucional y distribuición. El uso comercial es prohibido por su autor y por el Fluminense Football Club
Salvador, BA - Brasil - 22/11/2018 - Fonte Nova - Marcelo Oliveira Campeonato Brasileiro. 36ª Rodada. Jogo Fluminense x Bahia. FOTO DE MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC IMPORTANTE: Imagem destinada a uso institucional e divulgação, seu uso comercial está vetado incondicionalmente por seu autor e o Fluminense Football Club. IMPORTANT: Image intended for institutional use and distribution. Commercial use is prohibited unconditionally by its author and Fluminense Football Club IMPORTANTE: Imágen para uso solamente institucional y distribuición. El uso comercial es prohibido por su autor y por el Fluminense Football Club -

Rio - Quando Luciano balançou a rede do Engenhão, aos 18 minutos do segundo tempo, para garantir a vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-MG, naquela ensolarada tarde dominical de 21 de outubro, a torcida do Fluminense mal sabia o que o futuro lhe reservava. Um mês depois, os tricolores não têm motivo algum para sorrir. Nos seis jogos seguintes pelo Brasileiro, nada de gols. Quatro derrotas, dois empates e a infeliz marca de 567 minutos, ou 9 horas e 27 minutos, sem fazer o básico do futebol no Campeonato Brasileiro coincidentemente, o time de 2018 iguala a marca obtida na temporada de 1971, quando o Flu ficou exatamente 567 minutos sem vazar as defesas adversárias. Ou seja: se não marcar no primeiro minuto do jogo contra o Inter, o time de Marcelo Oliveira vai entrar para a história centenária do clube como o maior jejum em 116 anos.

A 13ª colocação na tabela ainda rende 4% de risco de queda para a Série B, de acordo com o matemático Tristão Garcia. O que a ciência não pode calcular, no entanto, é o sofrimento dos torcedores, que não veem uma promessa de alívio no horizonte.

"Acho que vai ser assim até o final. Infelizmente, para todos nós e para o torcedor do Fluminense. Por mais que a gente esteja lutando muito, que esteja trocando peças, dá a impressão que a falta de um ou outro jogador que não pode jogar pode ser representativa", disse Marcelo Oliveira após a derrota para o Bahia.

Apesar do tom pessimista do treinador, a tabela pode dar uma certa ajuda aos tricolores. Na próxima rodada, o time se livrará do risco de rebaixamento independentemente do que acontecer contra o Inter em caso de tropeço do América-MG diante do Bahia e derrota do Sport para o São Paulo. O Vitória, virtualmente rebaixado, tem a chance de igualar o Fluminense na classificação até a última rodada, mas precisaria livrar uma diferença de 13 gols no saldo.

Severamente criticado pela torcida e apontado como responsável direto pela atual situação do clube, o presidente Pedro Abad agiu rapidamente nos bastidores para pagar ontem um mês de salários atrasados e mais um referente aos direitos de imagem dos atletas, em uma tentativa de dar ânimo onde só cabe insatisfação. De acordo com informações do site 'Globoesporte.com', o Fluminense ainda deve ao elenco um mês de salário e mais quatro de direito de imagem, totalizando uma dívida de R$ 6 milhões.

 

Comentários