O presidente do Fluminense, Pedro Abad - LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.
O presidente do Fluminense, Pedro AbadLUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.
Por O Dia

Em enorme dificuldade financeira, o Fluminense recebeu mais um duro golpe ao ser notificado pela Justiça por atrasos no Ato Trabalhista, e tem um prazo de cinco dias para pagar R$ 2,4 milhões. Caso contrário, será excluído do Ato. A dívida é referente aos meses de dezembro de 2018 e janeiro de 2019.

Entretanto, o clube alega que já pagou dezembro. Em relação a janeiro, o Fluminense está correndo atrás de uma forma de quitar o quanto antes para não correr o risco de sair do Ato Trabalhista, o que é visto como um desastre para as já combalidas finanças tricolores.

O Ato Trabalhista é uma importante peça dos clubes para parcelar as suas dívidas trabalhistas com ex-jogadores e ex-funcionários e, principalmente, não ser surpreendido com mais penhoras. Com o acordo, o Fluminense paga mensalmente R$ 1,2 milhão.

Caso seja excluído do Ato, qualquer ação trabalhista pode bloquear o dinheiro nas contas tricolores para o pagamento dessas dívidas. O Fluminense vem sofrendo com penhoras de outros tipos que têm atrapalhado diretamente no pagamento de salários dos jogadores, por exemplo.

Você pode gostar
Comentários