O técnico Fernando Diniz faz um bom trabalho à frente do time tricolor - Mailson Santana/Fluminense FC
O técnico Fernando Diniz faz um bom trabalho à frente do time tricolorMailson Santana/Fluminense FC
Por O Dia

Rio - A preparação do Fluminense para a partida desta sexta-feira contra o Bangu, às 21h no Maracanã,não foi completa, já que na terça-feira os jogadores se recusaram a ir a campo em protesto pelos atrasos salariais. Ainda assim, o técnico Fernando Diniz viu pontos positivos na manifestação do elenco. 

"Foi uma manifestação legítima. Foi mais uma falta de comunicação do que qualquer outro tipo de coisa. Os jogadores estão bem, internamente o ambiente está muito saudável. Quando acontece um evento desse tipo, a gente sai maior ou menor. A equipe saiu maior disso tudo, mais unida, sabendo melhor o que quer. Não foi uma coisa aleatória, impensada, rebelde sem causa", disse o treinador, que apenas foi comunicado pelo grupo da paralisação e concordou.

Desde que chegou, Fernando Diniz tem que conviver com os problemas financeiros no Fluminense. Algo que seus antecessores também passaram e sofreram bastante para contornar. A diretoria tricolor ainda deve janeiro, três meses de direitos de imagem e 13º e férias de 2018.

"Não tem receita. É trabalho coletivo. Internamente temos que cuidar do ambiente para que os jogadores consigam administrar esse movimento externo. Não digo que salário em dia é o principal reforço. O time para se fazer forte tem que compartilhar o que está acontecendo. Salário em dia ajuda muito, mas quando não acontecer temos que saber lidar com isso. E vamos nos unir para fazer o melhor dentro do campo para dar alegria à torcida", completou o treinador.

Você pode gostar
Comentários