Sem brilhar no Fluminense, Nem desabafa: 'Vim ser feliz e não aconteceu'

Jogador não conseguiu ter sequência na equipe carioca

Por Lance

Wellington Nem
Wellington Nem -
Rio - O duelo contra o Corinthians deve representar uma nova despedida de Wellington Nem com o Fluminense. Entretanto, dessa vez o clima é de melancolia, bem diferente de 2013, quando rumou para a Ucrânia, a caminho do Shakhtar Donetsk. O atacante não conseguiu se firmar entre os titulares, passando longe de ser aquele jogador campeão brasileiro em 2012.

Contratado em julho por empréstimo até o fim do ano, Wellington Nem chegou com status de ídolo e reforço de peso. Devido ao período de inatividade, precisou de tempo para estrear e se adaptar. Por conta disso, foi titular pela primeira vez no sexto jogo, sob o comando de Oswaldo de Oliveira. O treinador foi quem deu mais oportunidades, porém o atacante não teve tanto destaque.

Com Marcão, Wellington Nem entrou menos ainda em campo, chegando a ficar no banco durante toda a partida por cinco vezes: nos empates contra Vasco e Avaí e nas vitórias sobre São Paulo, CSA e Palmeiras. O atacante era escolhido quando o time estava perdendo, porém os resultados persistiram, como nas derrotas contra Athletico-PR, Ceará e Internacional. Em sua defesa, Nem argumentou a falta de ritmo pelas atuações burocráticas.

"Cheguei na metade do campeonato após um período de férias. Precisei de um tempo para me adaptar e acho que foi pouco tempo. Eu vim para o Fluminense para poder jogar, não para ficar no banco e não entrar. Vinha treinando bem, me dedicando o dia todo, chegando mais cedo e fazendo de tudo para poder jogar, mas não entrava nos jogos. Aí quando se entra, estou sem ritmo de jogo."

Em 19 jogos, Wellington Nem possui números bem discretos. O atacante não deu assistência, contribuindo apenas com oito passes que resultaram em chutes dos companheiros, acertou apenas um cruzamento dos 15 que tentou, fez 12 desarmes, conseguiu 11 dribles em 19 tentativas, sofreu 33 faltas e cometeu 18, acertou seis finalizações em 17 chutes, marcando apenas um gol, contra o Internacional, no Beira Rio, situação que fez o jogador acreditar que o futuro seria diferente.

"Contra o Internacional eu fiz gol, entrei bem. Pensei que iria ter sequência, mas não aconteceu. A gente fica triste, mas o futebol é assim, acontecem coisas que não podemos mudar. É triste para mim. Vim ser feliz e não aconteceu. Mas futebol é assim, acontece."

FUTURO INCERTO

As palavras evidenciam uma certa mágoa com Marcão. Apesar disso, Wellington Nem evitou entrar em rota de colisão com o treinador. Para o ano que vem, o atacante espera permanecer no Fluminense, mas sabe que essa definição não depende apenas dele. Com contrato até julho de 2021, a cria de Xerém revelou que possui outras opções, o que deixa o seu futuro em aberto.

"Isso (renovação) aí está nas mãos dos meus empresários. Tenho contrato com o Shakhtar Donetsk por mais um ano e meio. Não sei o que vai acontecer. Apareceu algumas coisas, mas deixei nas mãos dos meus empresários para a gente vê o que vai decidir. Minha vontade é de ficar, sempre", disse Nem, que desejou sorte ao Tricolor.

"Para o Fluminense eu espero que o ano que vem seja maravilhoso, de conquistas, de disputas por coisas melhores e não só livrar do rebaixamento. O Fluminense não merece isso, a torcida não merece isso. Que seja um ano maravilhoso, se Deus quiser", finalizou.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários