Comitê Rio-2016 busca patrocínio para fechar as contas da Paralimpíada

Além disso, organização afirma que precisa vender pelo menos dois milhões de ingressos para que o evento não cause prejuízo

Por renata.amaral

Rio - A uma semana do início dos Jogos Paralímpicos Rio-2016, os organizadores ainda buscam meios para fechar as contas. Apesar do grande volume de venda de ingressos na última semana, a meta de arrecadação com bilhetes ainda está longe de ser alcançada e a corrida agora é por novos patrocinadores. Nesta quarta-feira, o comitê vai anunciar um patrocínio da Petrobras e até o final de semana a expectativa é de que pelo menos mais uma empresa aporte dinheiro no evento.

O Rio-2016 não informou o montante que ainda precisa arrecadar para bancar os Jogos, mas ressaltou a necessidade de vender pelo menos dois milhões de ingressos e de receber na íntegra os R$ 250 milhões em recursos públicos anunciados há duas semanas - R$ 100 milhões da União e R$ 150 milhões da Prefeitura do Rio. "A gente precisa desse dinheiro para entregar os Jogos Paralímpicos", afirmou nesta terça-feira o diretor Comercial do Rio-2016, Renato Ciuchini.

O orçamento dos Jogos Paralímpicos sempre contou com a venda de ingressos e patrocínios. Pelo planejamento original do Comitê Rio-2016, a previsão era de arrecadar pelo menos R$ 80 milhões com a venda de bilhetes, mas para o montante ser alcançado será necessário mais do que dobrar a venda de entradas nos últimos dias.

Na última segunda-feira, o Rio-2016 informou ter atingindo a marca de 1 milhão de ingressos vendidos - o número de bilhetes comercializados quadruplicou na semana seguinte ao término da Olimpíada. Foram colocados à venda 2,5 milhões de ingressos.

O problema é que esses bilhetes são muito mais baratos que os dos Jogos Olímpicos. Segundo informações da organização, 2 milhões de ingressos (80% da carga total) custam até R$ 30, sem contar a meia-entrada. Mesmo que venda todos os ingressos mais baratos pelo preço integral, o comitê alcançaria R$ 60 milhões, abaixo da meta de R$ 80 milhões.

Ciuchini procurou demonstrar um pouco de otimismo. "Nosso tíquete médio está na faixa de R$ 40 a R$ 50. Se conseguirmos vender 2 milhões de ingressos, temos a oportunidade de chegar aos R$ 80 milhões, mas isso não é garantido. O valor do tíquete médio está caindo", disse. Assim, a expectativa é aumentar o número de patrocinadores. "Estamos em negociações finais com alguns novos e com outros que eram patrocinadores olímpicos e ainda não eram paralímpicos", revelou.

Ao contrário dos Jogos Olímpicos, quando as empresas não podiam expor as suas marcas dentro das arenas esportivas, na Paralimpíada isso é possível. E é justamente esse o trunfo do Comitê Organizador para buscar novos patrocinadores. "O marketing brasileiro está acostumado a trabalhar com a exposição das marcas", disse Ciuchini. "O Brasil almeja ser o quinto colocado (no quadro de medalhas) da Paralimpíada. Existe uma quantidade de medalhas que o País vai vencer, de finais que vai participar, e isso acaba ajudando às empresas a identificarem o investimento".

A Petrobras vai se juntar ao grupo de patrocinadores ainda nesta quarta-feira. "A Petrobras comprou um pacote de exposição de marca e além disso vai estar presente na Rio-2016 Fest, lá no Parque Olímpico, em um espaço de 300 metros quadrados".

Reportagem de Marcio Dolzan

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia