Tocha paralímpica percorre cinco cidades do país até chegar ao Rio

Ontem foi a vez de Brasília. Hoje, o símbolo estará em Belém do Pará

Por gabriela.mattos

Rio - Em cerimônia que marcou o início do revezamento no Brasil, a tocha paralímpica foi acesa nesta quinta-feira em Brasília de forma inusitada: por meio da participação de internautas de todo o mundo que, nas redes sociais, utilizaram a hashtag #ChamaParalimpica. No Twitter, o assunto chegou a entrar na lista de trending topics.

Com desenho e características próprias, a tocha será acesa em cinco cidades até chegar ao Rio no dia 6, sendo que cada uma delas vai representar um valor paralímpico: Brasília – igualdade; Belém – determinação; Natal – inspiração; São Paulo – transformação; Joinville – coragem e Rio de Janeiro – paixão. Hoje é a vez de Belém do Pará. Serão 62 condutores a percorrer 8 km e um total de 27,5 km percorridos pelo comboio.

Em Brasília%2C o símbolo dos Jogos passou por diversas instituições que atendem pessoas com deficiênciaRio 2016/André Luiz Mello

Em Brasília, a solenidade foi realizada no Parque da Cidade, tendo como primeiro condutor da tocha Cláudio Irineu da Silva, ex-atleta de futebol e vôlei sentado. Ao todo, 103 pessoas farão o revezamento nos seguintes pontos da capital, depois de passar também por entidades como Hospital Sarah Kubitschek, Instituto Educacional e Profissionalizante para Pessoas com Deficiência, Centro de Ensino Especial de Deficientes Visuais.

A dona de casa Nilza Lopes, 42 anos, acompanhou a cerimônia com o filho Brayan, 5 anos. O menino nasceu com hidrocefalia e se desloca por meio de uma cadeira de rodas. “Ele não sente as pernas, mas gosta muito de esporte. Chegou até a conhecer o Neymar [da Seleção Brasileira e do Barcelona] durante a Olimpíada, em um dos jogos aqui em Brasília. Quero agora que ele assista as Paralímpíadas na TV pra ver como tudo funciona”, afirmou.
Brayan se mostrou animado com a competição: “Gostei muito do que vi hoje. Achei tudo muito bonito. Quando crescer, quero jogar futebol”, confessou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia