Souza assinou contrato de um ano com o Besiktas, com opção de renovação automática até meados de 2022 - Kasim Antrenman/Besiktas
Souza assinou contrato de um ano com o Besiktas, com opção de renovação automática até meados de 2022Kasim Antrenman/Besiktas
Por O Dia
Rio - Há dez anos, Souza trocou o Vasco pelo Porto, de Portugal, com a promessa de uma dia voltar ao clube do coração. A rescisão do Al-Ahli, da Arábia Saudita, em setembro, reacendeu o antigo desejo do volante, de 31 anos. Livre no mercado, Souza, porém, não agiu no calor da emoção e aceitou a proposta para voltar à Turquia para defender o Besiktas. Ciente da decepção da torcida cruzmaltina, Souza revelou ao programa 'Entrevista aí, Hofman', da 'Fox Sports', os motivos que o fizeram adiar o sonho de voltar à Colina.
"Anteriormente, falei muito de voltar para o Vasco em 2021, ao fim do meu contrato com o Al-Ahli. Quando rescindi, senti-me na obrigação de voltar pela promessa que fiz, mas, por outro lado, profissionalmente falando, sabia que não era o momento. Infelizmente o Vasco não se encontra numa situação na qual não conseguiria desempenhar o futebol que estou mostrando no Besiktas. Apesar de dever tudo na minha carreira ao Vasco, com a estrutura e elenco atuais, acho não conseguiria dar tudo o que esperam de mim e seria cobrado. Não queria manchar a boa imagem que deixei", disse Souza.
Publicidade
À distância, Souza acompanha o caótico noticiário do clube do coração: na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e com dois candidatos à presidência 'autoproclamados' vencedores da eleição. Como torcedor, o volante fez sua parte e reforçou a massiva adesão de sócios do clube no fim do ano passado. Após o tratamento de uma lesão no púbis em São Januário, tentou, sem êxito, o empréstimo até o fim do Brasileiro de 2019. Com o adiamento da promessa de voltar à Colina na companhia  Alex Teixeira e Alan Kardec, atualmente no futebol chinês, Souza entende a frustração na arquibancada.
"Lógico que a torcida ficou chateada. Fui xingado, chamado de mentiroso, mas prefiro dessa forma a ser vaiado por não jogar bem. Apesar da minha qualidade, digo que o desempenho do jogador de futebol depende do outro. Ainda mais na minha posição. Sem um elenco estrutura ao redor, o volante fica sobrecarregado. Poderia dar um toque de qualidade, mas teria prazo de validade... Se tivesse voltado em setembro, acho que estaria triste pelo momento do vasco, que é ruim. O clube é grande e torcida não merece isso. Creio que não ajudaria tanto quando gostaria", finalizou Souza.