Madureira considerou a expulsão de Laranjeira injusta e prejudicial para o planejamento do Vasco
Madureira considerou a expulsão de Laranjeira injusta e prejudicial para o planejamento do VascoAlexandre Neto/Photopress/Estadão Conteúdo
Por O Dia
Rio - Ao decidir poupar os titulares, Marcelo Cabo assumiu o risco de escalar o Vasco com muitas promessas no primeiro confronto com o Madureira válido pela semifinal da Taça Rio, neste sábado, em Conselheiro Galvão. Na derrota por 1 a 0, a falta de entrosamento imperou, mas o treinador destacou a arbitragem de João Batista de Arruda como um empecilho a mais para a evolução da equipe ao longo do jogo. A expulsão de Laranjeira, aos 38 do primeiro tempo, foi considerada injusta e prejudicial.
"Alguns foram muito bem, e a gente acaba ganhando jogadores para a temporada. O planejamento do Vasco é usar a base na medida do possível. Não acho nada desastroso, placar de 1 a 0, jogando quase 60 minutos com um jogador a menos, e os critérios estranhos da arbitragem. Dois pesos e duas medidas. A gente sai com total condição de reverter no próximo sábado", disse Cabo.
Publicidade
Para avançar à final, o Vasco precisa vencer o Madureira no próximo sábado, às 16h, em São Januário. Com a provável volta dos titulares, Marcelo Cabo considera que o Cruzmaltino tem totais chances de reverter o resultado e confirmar a classificação em casa.
"Fizemos um planejamento que no primeiro jogo jogaria a equipe B, o G2. E no segundo jogo jogaria a equipe principal, o G1. Isso é um planejamento como um todo para a temporada, talvez seja a última oportunidade para abrir uma ou duas semanas para dar ênfase técnica, tática e física à equipe. Quando a gente retomar a Série B e a Copa do Brasil, com certeza vamos só jogar e recuperar os jogadores. Eu precisava dar esse ajuste fino e esse polimento para a sequência. E também poder observar os pratas da casa", destacou.