Hora de Juninho voltar reinar no Caldeirão da Colina

Juninho volta a viver a expectativa de atuar em São Januário e pede apoio da torcida contra o Criciúma

Por pedro.logato

Rio - O último reinado já começou com direito a gol contra o Fluminense, mas Juninho não esconde a ansiedade por, enfim, reencontrar seus súditos no grande palácio vascaíno: São Januário. Diante de um Criciúma em alta, o camisa 8 fará sua estreia no estádio, ciente de que a missão de comandar o time em busca de mais uma vitória será complicada. Para ter sucesso, o veterano atleta, entretanto, convocou mais uma vez seu 12º jogador.

Juninho perto do retorno à ColinaCarlos Moraes / Agência O Dia

Da estreia em agosto de 1995 até o último jogo em novembro do ano passado, Juninho já disputou 144 jogos em São Januário. Foi no ‘caldeirão’ que o apoiador conquistou espaço, ganhou o apelido de Reizinho e viveu momentos inesquecíveis pelo Vasco.

Por isso, voltar a atuar pelo Gigante na Colina no estádio não chega a ser encarado como novidade pelo atleta.
Prestes a se aposentar, Juninho, com 38 anos, garantiu estar pronto para entrar de novo em sua segunda casa.

“Não tem nada de novo para mim. É como se estivesse voltando de lesão. A diferença é que as dimensões do gramado diminuíram para atender o padrão Fifa. Gosto muito de jogar em São Januário, me sinto bem. E a gente vai precisar do torcedor para vencer o Criciúma e emplacar a segunda vitória consecutiva”, afirmou.

Sempre realista, o Reizinho admitiu que o estado do gramado não é dos melhores. “O gramado está um pouco castigado e deu para perceber que treinar e jogar aqui vai nos atrapalhar”, ressaltou o camisa 8.

Ícone da torcida e referência do atual elenco, Juninho, que voltou a falar ontem em aposentadoria no fim do ano, tem desempenhado nova função sob o comando de Dorival Júnior. Mesmo com mais liberdade para atacar no meio de campo, o camisa 8 lembrou que é preciso ter comprometimento tático em campo.

“Tenho a consciência que não posso deixar de marcar, porque pode ser prejudicial ao time. Mas a ajuda do Pedro Ken tem sido importante para eu atuar mais adiantado. Existe uma liberdade, mas tudo com responsabilidade”, declarou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia