Por pedro.logato

Rio - O técnico Adilson Batista aposta no mistério para vencer o Atlético-PR, domingo, em Joinville, e salvar o Vasco do vexame do segundo rebaixamento em cinco anos. Sem poder contar com Guiñazu e Luan, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, o treinador escolheu seus substitutos no treino de ontem, em São Januário, mas fez questão de esconder o jogo.

“Dúvida não tenho, mas não vou passar a escalação. É um momento decisivo. Cada um tem um jeito de trabalhar... já orientei, já mostrei e cada atleta já sabe quem vai jogar. Já fiz as duas trocas e pode ter mais uma. Está definido, só que pode acontecer alguma coisa nos treinos, então vamos esperar para confirmar no sábado”, afirmou o treinador que fechou a primeira parte do treino.

Adilson prefere fazer mistério sobre escalaçãoCarlos Moraes / Agência O Dia

Mesmo sem revelar a escalação, a tendência é que Wendel substitua Guiñazu enquanto Jomar e Renato Silva brigam pela vaga de Luan. Outra mudança certa é a entrada de Bernardo, que deverá ser opção para o segundo tempo, por não estar ainda bem fisicamente. O jogador ficou mais de seis meses parado após sofrer uma grave lesão no joelho esquerdo em um jogo do Carioca .

“Eu sei da importância dele. O Bernardo foi um menino que lancei no Cruzeiro (2009). Eu vi uma evolução, um crescimento, mas ainda tenho que ouvir fisiologista, médico, porque ele vem de lesão”, ressalta Adílson, que não quer correr o risco de perder o jogador por uma lesão.

“Imagina se o jogo está 0 a 0 e ele pede para sair. Logo ele que quem tem estrela para fazer gols.Como é que vou fazer depois? É preciso ter sabedora para definir. Mas ele vai nos ajudar iniciando ou depois”, adiantou o técnico, que deu uma atenção especial ao jogador nos últimos dias.

No treino de quarta-feira, Bernardo começou jogando entre os titulares e na atividade de ontem conversou reservadamente com o treinador. Logo após os portões serem abertos à imprensa, ainda foi possível conferir o fim de um bate-papo entre a dupla. Mas com a chegada dos jornalistas, a conversa terminou. Mesmo tendo jogado apenas três partidas, após quase sete meses parado devido à lesão no joelho, Bernardo é o único jogador capaz de desequilibrar. Uma carta na manga, que Adílson espera saber usar no momento certo.

André não é relacionado e está de saída

O atacante André é carta fora do baralho vascaíno. Ele não participou do treino de ontem e está fora do jogo contra o Atlético-PR, e de saída de São Januário. Seu contrato de empréstimo termina no fim deste mês, quando será devolvido ao Atlético-MG.

“Quem não estava ali (treinou) não será relacionado e assunto encerado”, disse, de forma sucinta, o técnico Adilson Batista. Sandro Silva e Willie, que também não foram relacionados pelo treinador, devem seguir o mesmo caminho.

Artilheiro da temporada com 12 gols em 27 jogos do Brasileiro, André perdeu espaço e o respeito do treinador pelo comportamento extra-campo. Amante das noitadas, o jogador não demonstrou o comprometimento esperado no momento mais difícil do clube e não vai deixar saudade.

Milagre no Grêmio deixa o técnico cheio de esperança

Apesar de ter pela frente a dura missão de vencer fora de casa um adversário que luta por uma vaga na Libertadores, e ainda torcer por tropeços de Criciúma e Coritiba na última rodada, o técnico Adilson Batista não perde a esperança de manter o Vasco na Primeira Divisão.

“Já trabalhei com 93% (chances de rebaixamento) e s consegui sair dessa situação no Grêmio. Eu acredito!”.

Para escapar da degola, o técnico espera que os jogadores mantenham o equilíbrio e não se deixam influenciar pelos resultados dos outros jogos:

“Não tem como esconder hoje em dia. O próprio torcedor, vocês (imprensa)... Mas precisamos ser equilibrados. Não é com cinco na frente, com desorganização que vamos vencer. É preciso ter organização, atenção e calma”.

Você pode gostar