Mercosul reafirma 'solidariedade militante' à Argentina

Para o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a disputa com os fundos especulativos é um dano a todos os países do sul

Por douglas.nunes

Os países do Mercosul, reunidos nesta terça-feira em Caracas, reiteraram "sua solidariedade militante" com o governo da Argentina em sua disputa com os fundos especulativos em torno do pagamento da dívida soberana, que pode levar o país a uma nova moratória.

"Na reunião privada ratificamos toda a nossa solidariedade militante com a República Argentina, com a luta da presidente (Cristina Kirchner) contra a tentativa, através dos chamados fundos abutres, de causar dano à Argentina por meio da especulação financeira", anunciou o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, na abertura da cúpula no centro de Caracas.

"E não é um dano à Argentina, é um dano a todos os países do sul", completou Maduro, presidente rotativo do bloco, que pediu a seus colegas que se envolvam na questão "para além das declarações".

Kirchner, que receberá da Venezuela a presidência rotativa do Mercosul, agradeceu a solidariedade, reafirmou que seu governo pagará todas as suas dívidas e concordou que os fundos especulativos "afetam não só a Argentina, mas todo o sistema financeiro internacional".

"Tentam de fora e de dentro (do país) nos assustar, insinuando que, se não fizermos o que eles dizem que temos que fazer, virão as dez pragas do Egito (...) A Argentina afirma mais uma vez a sua vontade, as suas convicções, suas decisões e suas ações, que estarão direcionadas ao pagamento de 100% dos credores, mas de forma justa, equitativa, legal e sustentável", disse.

O governo argentino tem até quarta-feira, 30 de julho, para chegar a um acordo com os fundos que chama de "abutres" e que foram beneficiados por uma sentença na justiça americana que permite a cobrança do valor integral dos títulos da dívida simultaneamente àquela feita pelos credores da dívida reestruturada em 2005 e 2010.

Uma delegação da Argentina está reunida em Nova York com o mediador judicial para buscar uma solução para o litígio.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia