Cautela prevalece e Ibovespa cai 1%

Investidores seguem à espera da decisão de política monetária e PIB dos EUA. Novas sanções à Rússia também pesam sobre as bolsas

Por parroyo

Pela segunda sessão seguida, a cautela prevaleceu nos mercados com os investidores à espera da divulgação de importantes indicadores norte-americanos, como a decisão de política monetária, números do mercado de trabalho e o Produto Interno Bruto (PIB). As sanções dos Estados Unidos à Rússia também contribuíram para o movimento de realização de lucros. Na esteira de Wall Street, o Ibovespa fechou em queda de 1%, aos 57.118 pontos. O giro financeiro foi de R$ 5,5 bilhões.

O índice foi pressionado principalmente por Petrobras PN, com queda de 2,63%, e pelos papéis das elétricas, que recuaram após a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiar até o dia 28 de agosto o prazo para a liquidação das despesas das distribuidoras no mercado de curto prazo. Cemig PN perdeu 2,66% e Eletropaulo retraiu 2,43%.

À frente dos ganhos, Oi PN subiu 4,11%. Ontem a companhia divulgou os termos definitivos do acordo de fusão com a Portugal Telecom (PT). De acordo com o comunicado, as ações da Oi que serão entregues à PT não precisarão ser mantidas na tesouraria da nova empresa, a CorpCo. Ou seja, a companhia pode negociar os ativos. Na outra ponta, Energias Brasil ON caiu 5,07%.

“Além dos dados norte-americanos, a temporada de balanços, que ganha fôlego nesta semana, também contribui para aumentar o sentimento de cautela”, destacou o estrategista-chefe da SLW, Pedro Galdi. Bradesco, Gerdau e Vale divulgam os números referentes ao segundo trimestre nos próximos dias.

Nos Estados Unidos, os principais índices de Wall Street fecharam no vermelho em meio à notícia de que o país adotou novas sanções a três bancos russos, como punição ao envolvimento de Moscou na crise da Ucrânia. O Dow Jones recuou 0,42%, o S&P teve queda de 0,45% e o Nasdaq perdeu 0,05%.

Além disso, a atenção dos investidores está voltada para a reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que começou hoje e termina na tarde de amanhã. Nesta quarta-feira será conhecido ainda o PIB do país referente ao segundo trimestre. De acordo com projeção da Gradual Investimentos, a economia deve avançar 2,9% e anular a queda amargada nos três primeiros meses do ano.

Dólar

No mercado de câmbio, o dólar subiu 0,34%, cotado a R$ 2,231 na venda. A moeda americana se apreciou também no cenário externo. “Os agentes estão na defensiva antes da decisão de política monetária do Federal Reserve e da divulgação do PIB dos Estados Unidos amanhã”, apontou a Correparti, em nota.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia