Ibovespa sobe após pesquisa eleitoral já com Marina no páreo

Datafolha mostra Marina Silva à frente de Aécio Neves, no primeiro turno, e empatada tecnicamente com Dilma em provável segundo turno

Por parroyo

Após abrir em alta de quase 1% nesta segunda-feira, o Ibovespa opera volátil e, por volta das 13h, subia 0,75%, aos 57.389 pontos. Os investidores avaliam, em meio ao vencimento de opções sobre ações, a pesquisa Datafolha, que apontou como ficaria o cenário eleitoral com a presença da ex-ministra Marina Silva na corrida ao Planalto. Na quarta-feira, ela deve ser confirmada, oficialmente, como a substituta de Eduardo Campos na cabeça de chapa do PSB.

O levantamento apontou que a presidenta Dilma Rousseff teria 36% das intenções de voto no primeiro turno. Em seguida, Marina Silva e o tucano Aécio Neves aparecem tecnicamente empatados, com 21% e 20% da preferência do eleitor, respectivamente. Com a entrada de Marina, o pleito seria decidido no segundo turno, no qual haveria empate técnico entre a candidatada do PSB, com 47% das intenções de voto, e Dilma, que teria 43%. Já na disputa entre Dilma e Aécio, a presidenta venceria por 47% a 39%.

“O resultado agradou ao mercado, mas, por conta da forte alta de sexta-feira (quando o Ibovespa subiu 2,12%), existe alguma realização de lucro. A volatilidade no pregão de hoje também reflete o movimento de opções sobre ações”, pontuou o analista da Leme Investimentos João Pedro Brugger, para quem a linha de pensamento dos economistas conselheiros de Marina - Andre Lara Rezende e Eduardo Gianetti - se parece com a visão dos assessores da campanha de Aécio – Armínio Fraga e Mansueto de Almeida. “A candidatura da Marina seria bem recebida, mas as propostas irão ficar mais claras no decorrer da campanha”, ponderou Brugger.

Na manhã desta segunda-feira, o professor Eduardo Gianetti criticou a política econômica da gestão Dilma. “Foi o primeiro governo a entregar uma taxa de juro maior do que recebeu. Além disso, houve um retrocesso, pois para muitas empresas, o bom relacionamento com Brasília ficou mais importante do que a melhoria da atividade. O crédito subsidiado ficou mais interessante do que a inovação”, alfinetou Gianetti, em evento da casa independente de análise Empíricus, ao defender a volta do sistema no qual o mercado elege quem é eficiente e merece crescer.

Na agenda, o Boletim Focus reduziu a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), pela 12ª semana seguida, de 0,81%, para 0,79% neste ano. A expectativa para a inflação, no entanto, diminuiu pela quinta vez, de 6,26%, para 6,25%.

À frente dos ganhos, Tim ON subia 3,75%. Na outra ponta, Usiminas PNA perdia 1,34%. Petrobras PN, por sua vez, subia 0,60% e Vale PN tinha alta de 0,33%.

A BM&FBovespa divulgou pela manhã a segunda prévia da carteira teórica do Ibovespa, que vai vigorar a partir do começo de setembro. Os cinco ativos com maior peso no índice são: Itaú PN (9,56%), Petrobras PN (8,08%), Bradesco PN (7,31%), Ambev ON (6,59%) e Vale PNA (5,16%).

Nos Estados Unidos, diante de uma agenda vazia de indicadores, as bolsas sobem. Por volta das 13h, o Dow Jones subia 0,94%, o S&P avançava 0,79% e o Nasdaq tinha alta de 0,86%.

No mercado de câmbio, o dólar opera em queda de 13%, cotado a R$ 2,261 na venda.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia