Garantias locatícias: especialistas explicam vantagens e desvantagens de cada uma - Divulgação
Garantias locatícias: especialistas explicam vantagens e desvantagens de cada umaDivulgação
Por Marina Cardoso

Rio - Quem pretende alugar um imóvel deve levar em conta as vantagens e desvantagens dos diferentes tipos de garantias locatícias existentes no mercado. Qual é a melhor opção? Fiador, seguro-fiança ou depósito-caução? Depende. Segundo especialistas ouvidos pelo DIA , cada uma das alternativas tem características próprias. Portanto, todo cuidado é pouco. Na maioria das vezes, o seguro-fiança ainda é o melhor caminho.

"O mais importante na locação é conhecer o locatário, checar se ele sofreu outras ações de despejo ou até de cobrança, checar referências ou até mesmo conversar com locadores anteriores", diz o advogado especialista em Direito Imobiliário Marcelo Tapai, do escritório Tapai Advogados. Segundo ele, não há ausência absoluta de risco em quaisquer das modalidades de precaução. Mas sempre há algum tipo de ameaça que pode ser minimizada, dependendo da seleção que se faça do locatário e da garantia oferecida.

Para começar, especialistas são unânimes em dizer que o seguro-fiança é uma das opções mais seguras e rápidas. "É uma das modalidades mais vantajosas para os locatários e locadores. Caso o locatário esteja inadimplente, a seguradora assumirá todo o ônus, pagando o aluguel. Também promoverá a ação de despejo. Portanto, o proprietário sequer terá que arcar com esse custo. O problema é o preço, que, hoje, gira em torno de um a dois aluguéis anualmente", explica Jaime Cukier, advogado e diretor da Cukier & Cukier Advogados Associados.

Já a fiança é uma modalidade segura se o fiador tiver bens para dar de garantia. Com a vantagem de que o locatário não precisa antecipar nada. Entretanto, o fato de informar um imóvel como um tipo de salvaguarda, no momento da assinatura da fiança, não impede a venda dele em algum momento posterior.

Depósito-caução

Em relação ao depósito-caução, o inquilino deposita, em uma conta vinculada ao proprietário, um valor equivalente a até três aluguéis, que servirão para garantir eventual dívida derivada da locação. "Quando há inadimplência, normalmente se demora um tempo para o ingresso em juízo e, mesmo depois de proposta a ação, passa-se um tempo, geralmente maior do que esses três meses, para tudo ser resolvido", afirma Tapai.

A carta de fiança, por sua vez, é disponibilizada pelo banco. Se o locatário não pagar algum aluguel ou encargo, a instituição quita e, depois, faz a cobrança ao inquilino. A obtenção da fiança vai gerar um custo fixo. A diferença entre essa modalidade e o seguro-fiança é que, se o prejuízo for maior do que o limite da apólice, o proprietário assumirá uma perda.

Já no caso do título de capitalização, o inquilino compra uma apólice em seu nome, que fica vinculada à locação. Ao término do contrato, se tudo estiver em dia, resgata o título com correção. Se não, o valor é sacado pelo proprietário para cobrir o prejuízo.

Novo tipo de garantia locatícia
Publicidade
Além das opções apontadas pelos especialistas, o setor apresenta um novo tipo de garantia de locação imobiliária, o Loc Fácil, vinculado a um fundo de investimento no Brasil. Por ser uma proteção financeira, não há vínculo com qualquer seguradora, mas, sim, com instituições especializadas em gestão de fundos de investimentos.
"As vantagens principais são a preservação do valor em garantia durante o contrato e a facilidade de liquidação dela. As aplicações no Loc Fácil têm rentabilidade diária de acordo com o rendimento do fundo, não sofrendo desvalorização", diz Mauricio Gentil, idealizador da linha financeira.
Publicidade
Dessa forma, o especialista acredita em um mercado com mais oferta. "É bom para o consumidor ter um maior leque de opções possíveis para contratar, ainda mais nesta área com número limitado de alternativas e que, muitas vezes, não se enquadra com a realidade do possível locador", afirma Cukier.
Você pode gostar
Comentários