Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos
Publicidade

Prédios irregulares podem esconder a Síndrome do Edifício Doente

zM138.077,29.829l-6.282-15.728l-6.283,15.728H138.077z"/>
Publicidade
escolha do editor
Publicidade
mais notícias
 -
Por Marina Cardoso

Rio - O inverno ainda não começou, mas algumas cidades já sentem as temperaturas mais baixas devido às frentes frias. Com a proximidade da nova estação, que terá início no dia 21 de junho, as pessoas tendem a se concentrar mais em locais fechados e, portanto, com pouca ventilação. Com isso, podem sofrer com um inimigo pouco conhecido: a Síndrome do Edifício Doente (SED). A doença está associada a fatores como falta de impermeabilização, de higienização e de manutenção.

O problema presente em 30% dos edifícios no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) pode causar desde irritação nasal e ocular até dificuldades respiratórias, dores de cabeça e febre nos ocupantes desses locais. De acordo com o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ), Jeferson Salazar, a falta de iluminação natural e a baixa qualidade do ar podem aumentar a possibilidade de um prédio ser classificado como 'doente'.

"Quando não se contrata um profissional de arquitetura qualificado, o prédio provavelmente vai ser construído de forma irregular. Com isso, não se leva em conta a umidade do solo, o microclima, entre outros fatores", explica o presidente do CAU/RJ.

A baixa qualidade do ar pode ser resultado de altas concentrações de monóxido de carbono (CO) ou de componentes tóxicos. "Já em relação à iluminação, a modificação da posição de uma janela, por exemplo, pode garantir uma melhora na vida do morador, facilitando a entrada de luz", ressalta Jeferson. Ele acrescenta que pouca ventilação pode ainda causar um ambiente propício à germinação de bactérias e fungos.

"Fora isso, edifícios mal projetados também podem resultar em outros riscos para os moradores, como acidentes, e também afetar a estrutura do empreendimento", conclui Jeferson.

Boa parte dessas edificações com problemas, no entanto, têm a possibilidade de ser recuperada. O engenheiro civil ambiental Fabio Bahiense explica que é imelo-rio.html" title="Vivaz pelo Rio">

Vivaz pelo Rio
Imóveis e Casa

Vivaz pelo Rio

Grupo Cyrela une esforços para entregar um projeto com funcionalidade, por meio de um bom atendimento e confiança total

Publicidade
escolha do editor
Publicidade
mais notícias