Apartamentos modificados podem reduzir em cerca de 40% os acidentes dentro de casa
 - Divulgação
Apartamentos modificados podem reduzir em cerca de 40% os acidentes dentro de casa Divulgação
Por Marina Cardoso

No ano passado, o Brasil registrou que na última década houve um aumento de cerca de 50% no número de pessoas acima dos 60 anos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), este percentual representa um crescimento de mais de 8,5 milhões de pessoas nessa faixa etária. Em 2027, essa quantidade deve subir ainda mais e chegar a 38 milhões. A partir deste cenário, a arquiteta especialista em gerontologia e consultora de bem-estar para as pessoas idosas, Flávia Ranieri, criou a Somos Grou, que atrela qualidade de vida e longevidade pensando na velhice das pessoas. 

De acordo com estudos de profissionais da USP (Universidade de São Paulo), construir moradias que estejam preparadas para receber e dar o conforto necessário aos idosos reduz cerca de 40% dos acidentes domésticos.

"Além de um crescimento da população dessa faixa etária, os números comprovam que a maioria esmagadora dos acidentes acontece dentro de casa. Portanto, assim como já é lei projetar casas e prédios pensando na adaptação do espaço para deficientes físicos, a proposta é ajudar na conscientização sobre construir moradias que tragam a melhor experiência em qualidade de vida para as pessoas idosas. Um lugar que envelheça com a gente", explica Flávia.

Para ajudar o morador na hora do planejamento, a especialista orienta que as principais precauções são com as áreas molhadas. "São nelas onde ocorrem o maior número de quedas e acidentes. Para isso, é necessário o piso antiderrapante, barras de apoio onde exista o movimento de levantar e sentar e que as bancadas e objetos estejam em alturas confortáveis, não sendo necessário recorrer a um banco ou escadas".

Segundo a especialista, é um processo simples fazer alterações dentro de uma casa. Para isso, o auxílio de um arquiteto é fundamental, pois ele terá o olhar mais cuidadoso para aquele ambiente. Caso seja necessário, ela também orienta a compra de móveis estratégicos que não prejudiquem a vida do idoso. O arquiteto pode fazer uma avaliação no local para dizer o que é aproveitável ou não. Já se as limitações forem poucas, o próprio idoso pode fazer. 

No site do Somos Grou, o morador pode ter acesso ao livro gratuito com informações sobre adaptações para serem feitas na própria casa. "Acho que vale o velho ditado que 'É melhor prevenir do que remediar' se tratando de segurança e saúde", complementa a especialista.

 

Você pode gostar
Comentários