Crise na locação de imóveis faz proprietários oferecerem descontos e vantagens

Além de baixar o valor do aluguel, há quem ofereça um mês de graça

Por marlos.mendes

Rio - Migração para imóveis menores em bairros menos valorizados, como Tijuca e Botafogo, aluguel grátis e descontos são tendências do mercado na reta final do ano. Além disso, o valor dos imóveis alugados teve queda de 17% em um ano no Rio e de 14% em Niterói, segundo o Sindicato da Habitação do Rio (Secovi Rio).

O vice-presidente da entidade, Leonardo Schneider, relaciona a queda à oferta. “As placas de aluguel estão por toda parte. O valor de venda reduziu e os proprietários não querem queimar o valor do patrimônio. Aí, recorrem à locação para minimizar as despesas com condomínio e IPTU mensalmente”, explica Schneider. Segundo ele, há muitas unidades para locar e crise de demanda, devido ao desemprego e à falta de confiança do consumidor.

Proprietários oferecem até um mês de aluguel de graça para não deixar imóvel fechadoReprodução


Com esse cenário, os donos dos imóveis alugados estão sendo mais flexíveis. E, em alguns casos, nem aplicam o reajuste anual. Tudo para não correr o risco de perder o inquilino que paga em dia. Schneider explica, ainda, que os locadores estão tendo que deixar o imóvel em perfeito estado, com mimos e vantagens para poder alugar mais rápido. São iniciativas por conta da grande concorrência. “Também está tendo muita entrega de chaves e as unidades que estão sendo alugadas são as de valores mais baixos”, conclui.

Para o vice-presidente da Administradora de Imóveis Renascença, Edison Parente, as locações estão sendo feitas com descontos de 5% a 15%. “Também oferecemos um mês de aluguel grátis. Já os locadores vão manter os aluguéis sem reajustes”, diz. Ele prevê aumento de 10% no quarto trimestre, tendência histórica do período.
Dorila Irigon, diretora-presidente da Irigon, acredita que a situação irá melhorar no primeiro semestre de 2017. “A crise fez com que os preços fossem reduzidos ou mantidos para não se perder clientes. Mas já observamos melhoras nos últimos meses e acreditamos que o pior já passou”, comenta.

O QUE CHECAR NA VISTORIA

1. A avaliação deve ser feita na parte interna e externa do imóvel, inclusive na fachada. E, se possível, até no telhado. Cada cômodo deve ser avaliado com atenção. É importante descrever e fotografar todos os detalhes, como umidade, vazamento, mofo e rachaduras.

2. As redes elétrica, hidráulica e de gás, quando for encanado, merecem também atenção especial durante a vistoria. Se estiverem desligados, fique atento a possíveis problemas assim que entrar no imóvel.

3. A pintura é outro ponto importante. No laudo, é necessário constar se o imóvel foi pintado recentemente, informando as cores atuais das paredes, teto, janelas, portas e rodapés. E também se o trabalho foi bem feito. Se a pintura estiver deteriorada, também relate.

4. O estado de conservação dos pisos e azulejos também deve ser documentado. É importante descrever e fotografar como é o revestimento e falar sobre riscos, buracos e rachaduras. As vidraças também devem ser analisadas. Se encontrar algum vidro quebrado ou solto, fotografe e descreva. Vidros sujos devem ser sinalizados.

5. Portas e janelas devem fechar e abrir perfeitamente. Se tiver com algum problema, relate. Se fechaduras e trincos dos cômodos ou dos armários não tiverem chave ou não estiverem funcionando como deveriam, também informe. Marcas nas paredes também devem ser informadas.

6. Deve ser feita uma lista de móveis. E também relatar não só o estado de conservação, mas também cor e marca de cada armário, utensílio ou eletrodoméstico deixado no imóvel. A mesma atenção vale para luminárias, torneiras e vasos sanitários. Se tiver qualquer alteração, fotografe.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia