Com a renúncia de Weslei, Aramis vai concorrer pela segunda vez ao cargo de prefeito de Itaguaí - Divulgação - Partido Socialista Brasileiro
Com a renúncia de Weslei, Aramis vai concorrer pela segunda vez ao cargo de prefeito de ItaguaíDivulgação - Partido Socialista Brasileiro
Por Jupy Junior
ITAGUAÍ – A indefinição chegou ao fim. Weslei Pereira, que já foi prefeito de Itaguaí por ter sido vice do prefeito Luciano Mota (cassado em 2015), renunciou à sua candidatura pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB). Aramis Brito, que seria candidato a vice-prefeito com ele, passa a encabeçar a chapa agora composta com Cristina Hayassaka.
Na última semana, havia dúvida sobre a disposição de Weslei em competir nestas eleições. A convenção do PSB decidiu-se pelo ex-prefeito, mas ele resistia ao lançamento do seu nome e em começar a campanha. Apesar disso, o nome do bancário aparecia na plataforma oficial do TSE na internet, porque os documentos já haviam sido enviados pelo partido. Na noite da última sexta-feira (2), porém, a decisão foi tomada e ainda neste domingo (4), os dados de Aramis devem substituir os de Weslei na plataforma online do Tribunal Superior Eleitoral.
Publicidade
Em um vídeo que circula nas redes sociais, Weslei anuncia que desistiu da candidatura e que agora o candidato do PSB é Aramis. O ex-prefeito disse neste sábado a O DIA que estava aguardando o resultado do julgamento de uma das nove ações movidas contra ele por Carlo Busatto Junior (Charlinho), seu oponente nas eleições de 2016. Apesar do julgamento não ter sido conclusivo, Weslei achou melhor não concorrer para evitar uma longa batalha judicial que se estenderia até depois de uma possível diplomação, caso ele vencesse a disputa de 2020.
Nas eleições de 2016, a diferença entre Charlinho (primeiro colocado) e Weslei (segundo) foi de apenas 1.584 votos.
Publicidade
A alegação de Charlinho na ação movida na Justiça é a de que Weslei distribuiu títulos de propriedade durante o período de vedação eleitoral, o que é proibido pela lei. Weslei nega: disse que sua política de regularização fundiária foi executada durante todo o seu mandato para beneficiar famílias que já tinham assegurado esse direito.
O CANDIDATO E A VICE
Aramis Brito tem 55 anos, é casado e pai de oito filhos. Teólogo e palestrante, é autor de cinco livros. É a segunda vez que disputa o cargo de prefeito de Itaguaí. Em 2012, obteve o terceiro lugar, com 8.109 votos. Durante o governo Weslei (2015-2016), foi secretário municipal de Assistência Social. Elegeu-se deputado estadual em 2017. Começou no PSC, depois foi para o PHS, há um ano está no PSB e é presidente municipal da sigla.
Publicidade
Cristina Hayassaka, engenheira, foi subsecretária de Obras no governo Weslei.