Instituições estabelecem com o governo diálogo para encontrar medidas que evitem colapso econômico
 - Divulgação
Instituições estabelecem com o governo diálogo para encontrar medidas que evitem colapso econômico Divulgação
Por O Dia
Macaé - Pilar mais impactado pela redução das atividades econômicas na cidade, em virtude do isolamento social, o comércio e prestadores de serviços apostam no delivery como estratégia de manter as atividades, enquanto não conseguem reabrir as suas portas.
Diante da forte pressão do setor em defesa da flexibilização das regras impostas por decretos municipais, que suspenderam atividades laborais na cidade por duas semanas, o governo municipal reavalia restrições que já beneficiaram padarias, lojas do setor petshop e bancas de jornal.
Publicidade
Nesta semana, a Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM) lançou campanha para estimular a venda das empresas associadas através do delivery. A própria instituição já sente o peso da recessão do seu setor de origem, mas aposta no diálogo para encontrar um caminho capaz de fazer o comércio respirar, em meio à preocupação quanto ao COVID-19.
“Já sobrevivemos a essas duas semanas de restrições sentindo na carne os efeitos do isolamento do comércio. Fazemos parte de uma rede econômica que possui outros setores em atividade na cidade. Precisamos voltar a funcionar, com a nossa responsabilidade de que todos os protocolos de Saúde serão seguidos a risca no combate ao COVID-19”, afirma o presidente da ACIM, Francisco Navega.
Publicidade
A indústria offshore também tenta se adaptar, como pode, as restrições que reduzem o volume de trabalho nas bases das empresas que atendem as demandas da Petrobras, e de todas as unidades em produção na Bacia de Campos.
“O que pode ser realizado home-office será mantido. Reduzimos de forma expressiva o efetivo de funcionários em nossas bases. Mas precisamos garantir às operações essenciais a rotina das unidades na Bacia de Campos. Isso é fundamental para evitar ainda mais impactos ao mercado do petróleo que já sente os efeitos de uma nova recessão mundial”, avalia o secretário-executivo da Associação das Empresas de Serviços de Petróleo (Abespetro), Gilson Coelho.
Publicidade
Tanto a ACIM, quanto a Abespetro e a Petrobras estabeleceram diálogo com o governo municipal, através da cooperação do ex-secretário municipal de Relações Institucionais, Leonardo Gomes.