As aulas da rede pública municipal e privada seguem suspensas em Macaé  - João Barreto/Arquivo Secom PMM
As aulas da rede pública municipal e privada seguem suspensas em Macaé João Barreto/Arquivo Secom PMM
Por O Dia
Macaé - O prefeito de Macaé, Dr. Aluízio dos Santos, declarou durante a entrevista coletiva que concedeu por videoconferência na manhã de sexta-feira (5), que o retorno as aulas da rede pública municipal e privada só deverão ocorrer a partir de agosto.

Devido à curva de contágio do novo coronavírus (Covid-19), a perspectiva é de mais casos registrados na próxima semana e, pela estatística, as internações devem cair apenas em julho.
“A volta as aulas será o último processo de flexibilização da pandemia. O setor da educação em Macaé envolve mais de 100 mil pessoas, entre alunos, funcionários e prestadores de serviços. É quase metade da população. Nesse sentido, as aulas não retornam antes de agosto. Estamos preparando uma estratégia para esse retorno, mas ainda está sendo pensado como faremos", comentou o prefeito.
Publicidade
Dr. Aluízio lembrou ainda que existe um pequeno número de crianças em Macaé internadas com a Covid-19, mas que é infinitamente menor que o número de adultos com a doença. “O perfil da Covid na criança é muito diferente do que no adulto, graças a Deus. Estamos preparando uma estratégia para a infância junto com as equipes de pediatria”, informou.

A busca por assintomáticos será fundamental, segundo o prefeito, para barrar a curva de contágio. "Todo mundo para voltar (à sua atividade de trabalho) terá que ser testado", pontuou. A curva do Covid-19 mostra que podem ficar infectadas em Macaé 11 mil pessoas com 250 internações e 50 óbitos.

"Orientamos que as pessoas se antecipem à internação, que procurem ajuda até o quinto dia de sintomas", reforçou, lembrando que buscar os assintomáticos abre um leque de investigação que ajuda a combater a disseminação.

O município tem 1.237 casos de coronavírus confirmados, sendo 692 pacientes recuperados e 41 óbitos por Covid-19. Macaé possui 57% dos seus leitos da Terapia Intensiva (UTI) do Sistema Único de Saúde (SUS) ocupados.