Coleta de lixo ainda não está normalizada na cidade - Divulgação
Coleta de lixo ainda não está normalizada na cidadeDivulgação
Por O Dia
Maricá - A falta da normalização na Coleta de lixo está deixando muitos moradores dos diversos bairros da cidade insatisfeitos, algumas ruas estão com lixo acumulado, causando mal cheiro, atraindo bichos como insetos e ratos e bactérias.

A nossa redação entrou em contato com a SECOM (Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura Municipal de Maricá) que nos enviou a seguinte nota abaixo:
A Prefeitura de Maricá informa que os problemas com a coleta de lixo continuam acontecendo a despeito da pressão do município para que a empresa contratada regularize o serviço conforme reza o contrato vigente.

A Prefeitura informa, ainda, que não tem qualquer responsabilidade ou ingerência na relação trabalhista entre a empresa contratada e seus funcionários, mas que, para proteger o interesse da coletividade, vem acompanhando as reuniões entre a empresa e o sindicato que representa os seus funcionários.

O município calcula que o estado de greve dos funcionários da empresa coletora está fazendo com que apenas 70% do volume de resíduos gerado na cidade esteja sendo recolhido. Por isso, ainda com o intuito de proteger o interesse da população, a Prefeitura está organizando uma nova operação de reforço na coleta. Como a área e a demanda a serem atendidas são grandes, a logística é complexa e a previsão de início dessa nova ação é domingo, dia 01/11. Caminhões e pessoal estarão percorrendo os bairros recolhendo os resíduos. A operação não tem prazo para terminar.

Vale ressaltar que a empresa responsável só recebe, da Prefeitura, o valor correspondente à tonelada de resíduo coletada e entregue no centro de tratamento de resíduos de São Gonçalo. Como está coletando menos, está também recebendo menos pelos serviços que presta. O município ressalta que os pagamentos estão em dia.

A despeito dos problemas estruturais da empresa, sobre os quais a Prefeitura não tem nenhuma responsabilidade, a coleta está impactada também pela não ampliação da frota de caminhões na mesma proporção do aumento do volume de resíduos gerados na cidade, que passou de 100 toneladas em média por dia para 166 toneladas em média por dia por conta da pandemia.