Em meio a protestos, Argentina vai ao FMI

a

Por

O presidente dos EUA, Donald Trump, expressou "firme apoio" à Argentina, abalada por uma severa crise econômica, e elogiou os esforços do governo de Mauricio Macri para acelerar um programa de estabilização com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Apesar disso, em terras argentinas houve saques a supermercados e protestos contra as políticas de austeridade do governo Macri. Concomitantemente, em Washington, membros do Minstério da Fazenda argentino se reuniam com a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, para antecipar o programa de empréstimos já acordado em junho, no valor de US$ 50 milhões.

"A Argentina é um parceiro estratégico de longa data dos Estados Unidos e um importante aliado que não pertence à Otan. O presidente Macri está fazendo um excelente trabalho", afirmou Donald Trump, em comunicado emitido pela Casa Branca.

 

Comentários

Últimas de Mundo & Ciência