Oito crianças morrem na explosão de morteiro no Afeganistão

Autoridades culparam o Talibã pela tragédia

Por O Dia

Faryab - Oito crianças, quatro delas membros de uma mesma família, morreram na sexta-feira, no noroeste do Afeganistão, quando um projétil de morteiro explodiu, informaram suas famílias neste sábado. Além deles, outros seis ficaram feridos na explosão, dois deles com amputações de membros, e foram hospitalizados em estado crítico em um hospital na província de Faryab. As crianças tinham entre 5 e 12 anos.

"Eles encontraram um morteiro que não explodiu e o levaram para perto de nossa casa", disse à AFP Shukrulá, tio dos quatro filhos da mesma família. "Eles não sabiam o que era e tentaram abri-lo quando de repente explodiu".

Do hospital onde os feridos estão sendo tratados, Mohamad Alan, primo das mesmas quatro vítimas, disse ter escutado "uma forte explosão" e logo depois encontrou as crianças "cobertas de sangue".

As autoridades culparam o Talibã pela tragédia. O grupo extremista islâmico havia tomado a aldeia de Koh-e-Sayad, onde a tragédia ocorreu, na semana anterior.

Segundo Abdul Karim Yoresh, porta-voz da polícia provincial, os insurgentes plantaram uma mina perto de um posto de controle das forças de segurança afegãs. "Na tarde de sexta-feira, as crianças estavam passando quando a mina explodiu", disse ele à AFP.

Muitos campos e terrenos do Afeganistão estão repletos de artefatos que não explodiram durante as quase quatro décadas de guerra que assolam o país.

Quase 3.200 crianças - ou seja, aproximadamente um terço das vítimas do conflito - foram mortas ou feridas em 2017, segundo informações da ONU.

As bombas artesanais mataram ou feriram 545 delas. Munições não detonadas mataram 142 crianças e feriram outras 376 no mesmo período.

Últimas de Mundo & Ciência