Após terremoto, tsunami deixa dezenas de mortos na Indonésia

Tsunami teve ondas de até 1,5 metro e provocou pânico na cidade de Palu

Por AFP

Tsunami deixa dezenas de mortos na Indonésia
Tsunami deixa dezenas de mortos na Indonésia -

Palu - A cidade indonésia de Palu foi atingida por ondas de um tsunami causado por um forte terremoto de magnitude 7,5 que atingiu a região - informou a Agência Nacional de Desastres nesta sexta-feira. Dezenas de pessoas morreram, comprovou um fotógrafo da AFP.

As autoridades indonésias ainda não divulgaram um boletim sobre vítimas, mas as fotos tiradas na cidade de Palu, de 350 mil habitantes, mostram corpos ao longo da costa um dia após o tsunami com ondas de até 1,5 metro. 

"Um tsunami ocorreu em Palu", informou o chefe da divisão de terremotos e tsunamis da agência, Rahmat Triyono.

Uma gravação de vídeo feita do alto da rampa de um estacionamento em Palu mostrou uma onda arrasando edifícios e inundando uma grande mesquita.

Além disso, o tremor atingiu prédios e fez os habitantes correrem em pânico para as ruas.

"Há informações de que muitos edifícios caíram no terremoto", disse em um comunicado o porta-voz da agência de gestão de desastres, Sutopo Purwo Nugroho.

"Os habitantes entraram em pânico e saíram correndo de suas casas", relatou.

Segundo o porta-voz, equipes de busca e resgate foram enviadas para as zonas mais afetadas.

O principal aeroporto de Palu foi fechado às 19h30 locais e se manterá sem funcionar por 24 horas, de acordo com as autoridades.

Várias pessoas que vivem a centenas de quilômetros do epicentro disseram ter sentido o forte tremor, algumas horas depois de um pequeno sismo que deixou pelo menos um morto nessa mesma região.

Ainda não há informações sobre mortos e feridos, mas este último sismo foi de maior magnitude do que a série de terremotos que este ano deixou centenas de mortos na ilha de Lombok.

De acordo com o US Geological Survey (USGS), o terremoto foi registrado na ilha de Sulawesi, com profundidade de apenas 10 quilômetros, pouco antes das 18h locais (8h em Brasília).

 

Últimas de Mundo & Ciência