Ministro israelense da Defesa anuncia demissão após cessar-fogo em Gaza

Após o pior confronto desde o conflito de 2014, movimento islâmico Hamas, no poder na Faixa de Gaza, já saudou a renúncia de Lieberman como uma vitória

Por AFP

Parentes palestinos de Nawaf al-Aatar choram durante seu funeral em Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza
Parentes palestinos de Nawaf al-Aatar choram durante seu funeral em Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza -

Jerusalém - O ministro israelense da Defesa, Avigdor Lieberman, anunciou nesta quarta-feira sua demissão do governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, um dia depois de um acordo concluído indiretamente com os grupos palestinos para um cessar-fogo na Faixa de Gaza.

Em declaração à imprensa, o ministro ultranacionalista denunciou o cessar-fogo como uma "capitulação ao terrorismo" e afirmou que "deveríamos acertar uma data para eleições o mais rapidamente possível", lançando incerteza sobre o futuro do governo em vigor desde 2015, considerado o mais à direita da história de Israel.

Um funcionário do Likud, partido de direita do primeiro-ministro, disse que Netanyahu assumiria a pasta de Defesa - ele já detém a pasta de Relações Exteriores - e determinou que as eleições antecipadas não seriam necessárias.

Nesta quarta-feira, Benjamin Netanyahu, no cargo por quase uma década, iniciou discussões com os caciques do Likud e os líderes de outras formações aliadas a fim de "estabilizar" sua coalizão, segundo um funcionário que pediu anonimato.

Mas a maioria dos comentaristas estava cética sobre esses esforços, contando com eleições antecipadas que já pairam no ar há meses.

O ministro da Educação, Naftali Bennett, chefe do Casa Judaica, partido nacionalista religioso, emitiu um ultimato na noite de quarta-feira exigindo o portfólio da Defesa.

O grupo parlamentar desta formação, cujo apoio é agora vital para a sobrevivência da coalizão, "exigiu" em um comunicado a pasta "para permitir que Israel retome sua iniciativa e imponha a dissuasão".

Sem essa nomeação "o (atual) governo não tem motivos para existir", acrescentou a declaração do Casa Judaica, que defende uma política muito mais dura contra os islamitas palestinos do Hamas, no poder na Faixa de Gaza.

O primeiro-ministro tem autoridade para dissolver um Parlamento hostil. Os eleitores devem então ser chamados às urnas dentro de 90 dias.

Hamas celebra vitória

Após o pior confronto desde o conflito de 2014, o movimento islâmico Hamas ,no poder na Faixa de Gaza, já saudou a renúncia de Lieberman como uma "vitória de Gaza, que conseguiu, com sua resistência, minar a cena política" israelense.

No centro da discórdia israelense: o cessar-fogo alcançado indiretamente na terça-feira, sobre a intercessão egípcia, com os grupos de Gaza.

A trégua foi efetivamente respeitada na quarta-feira depois de uma escalada que levou grupos armados de Gaza a dispararem centenas de foguetes e morteiros contra Israel e o exército israelense a bombardear dezenas de posições no enclave.

Nesta quarta, os estudantes da Faixa de Gaza retornaram às aulas, no entulhado enclave entre Israel, o Egito e o Mediterrâneo.

Com o cessar-fogo, Netanyahu afastou a possibilidade de uma nova guerra, mas criou uma batalha política.

Cerca de 300 israelenses protestaram na noite desta quarta-feira aos gritos de "segurança, segurança" em Ashkelon e bloquearam a estrada entre a cidade e a Faixa de Gaza.

Assim, com o cessar-fogo, "o Estado compra tranquilidade a curto prazo ao custo de graves danos a longo prazo para a segurança nacional", disse Lieberman, que também pediu eleições antecipadas.

Lieberman também criticou a decisão do governo de permitir a transferência de dólares do Catar para a Faixa de Gaza, principalmente para pagar os salários dos funcionários do movimento islamista palestino Hamas.

Galeria de Fotos

Parentes palestinos de Nawaf al-Aatar choram durante seu funeral em Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza Anas Baba/ AFP
Parentes palestinos de Nawaf al-Aatar choram durante seu funeral em Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza Ana Baba/ AFP

Últimas de Mundo & Ciência