China exige fim das atividades em caso de bebês editados geneticamente

O pesquisador chinês He Jiankui anunciou em um vídeo difundido no último fim de semana no YouTube o nascimento, "algumas semanas atrás", de duas meninas gêmeas cujo DNA foi editado para torná-las resistentes ao vírus da aids, com o qual seu pai está infectado.

Por AFP

He Jiankui explicou que seu objetivo não era curar ou prevenir doenças hereditárias, mas tentar criar a habilidade de resistir a possíveis infecções pelo vírus transmissor da Aids
He Jiankui explicou que seu objetivo não era curar ou prevenir doenças hereditárias, mas tentar criar a habilidade de resistir a possíveis infecções pelo vírus transmissor da Aids -

Pequim - A China exigiu, nesta quinta-feira, a suspensão das atividades científicas dos pesquisadores envolvidos no suposto nascimento das primeiras bebês editadas geneticamente.

"Instamos ao organismo que suspenda as atividades científicas das pessoas envolvidas", indicou o vice-ministro da Ciência e Tecnologia, Xu Nanping, em uma entrevista à rede CCTV. O ministério "se opõe firmemente" a estes experimentos, explicou.

"Este incidente viola de forma flagrante as leis e normas chinesas, e traspassa abertamente os limites da moral e da ética da comunidade universitária", acrescentou.

O pesquisador chinês He Jiankui anunciou em um vídeo difundido no último fim de semana no YouTube o nascimento, "algumas semanas atrás", de duas meninas gêmeas cujo DNA foi editado para torná-las resistentes ao vírus da aids, com o qual seu pai está infectado.

Seria um fato mundialmente inédito. No entanto, o anúncio causou agitação na comunidade internacional, tanto por razões científicas como éticas.

A Comissão Nacional da Saúde, que tem status de ministério, investiga atualmente as afirmações do pesquisador.

Em um comunicado, um grupo de 122 cientistas chineses lamentou nestes últimos dias a "loucura" do cientista. Especialistas do genoma, reunidos em um colóquio em Hong Kong, condenaram também, nesta quinta-feira, o ato "irresponsável" de He Jiankui.

Ante a polêmica gerada pelas pesquisas, que não foram contrastadas de forma independente, o autor dos trabalhos declarou, nesta quarta-feira, que estava fazendo uma "pausa" em seus ensaios clínicos.

No entanto, He Jiankui se declarou ao mesmo tempo "orgulhoso" de ter permitido o nascimento dos das bebês.

O cientista ia participar de novo nesta quinta-feira na segunda cúpula sobre a edição de genoma em Hong Kong, uma reunião geralmente confidencial mas que obteve publicidade mundial devido a seu anúncio.

No entanto, He não estava na quinta-feira no programa oficial, e o presidente do comitê de organização, o prêmio Nobel David Baltimore, afirmou aos jornalistas que foi o próprio cientista que cancelou sua presença, e não os organizadores.

He afirmou que oito casais - formados por um pai soropositivo e uma mãe soronegativa — se apresentaram voluntariamente para participar do experimento, mas um deles desistiu.

Também falou de "outra gravidez potencial", que implicaria outro casal, mas não detalhou se esta gravidez estava em andamento ou terminou em aborto espontâneo.

He Jiankui, formado na universidade americana de Stanford, diz ter utilizado a técnica CRISPR/Cas9, que permite aos cientistas remover e substituir uma fita de DNA com precisão.

 

Últimas de Mundo & Ciência