Jornalistas assassinados e perseguidos são eleitos personalidade do ano da revista 'Time'

É a primeira vez que jornalistas são eleitos personalidades do ano pela revista, e a segunda vez em que um grupo, e não uma única pessoa, é escolhido. Em 2017, a publicação escolheu premiar aquelas que quebraram o silêncio diante do assédio sexual, na esteira do movimento #MeToo

Por AFP

Jamal Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia
Jamal Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia -

Nova York - O jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado em 2 de outubro, no consulado do seu país, em Istambul, foi eleito personalidade do ano pela revista americana Time, uma distinção compartilhada com outros repórteres nesta terça-feira.

Além de Khashoggi, a publicação homenageou a jornalista filipina Maria Ressa, os dois repórteres birmaneses da agência de notícias Reuters Wa Lone e Kyaw Soe Oo, atualmente na prisão, assim como a redação do jornal local Capital Gazette, que sofreu com a morte de cinco de seus profissionais em um ataque em junho em Annapolis, Maryland.

É a primeira vez que jornalistas são eleitos personalidades do ano pela revista, que concede este título desde 1927.

Além disso, nunca uma pessoa falecida havia sido nomeada principal personalidade do ano.

A revista Time decidiu publicar quatro capas diferentes de sua revista esta semana para destacar cada jornalista, ou grupo de jornalistas, escolhidos.

Os jornalistas venceram Donald Trump, designado como personalidade do ano em 2016 e que ficou em segundo lugar na classificação no ano passado.

O presidente dos Estados Unidos foi apontado pelas casas de apostas como favorito para este ano.

Esta é a segunda vez que a revista escolheu um grupo e não uma única pessoa.

Em 2017, a publicação selecionou aqueles que "quebraram o silêncio" diante do assédio sexual, em meio a acusações contra homens poderosos em diferentes partes do mundo.

O procurador especial Robert Mueller, encarregado de investigar o possível conluio entre a equipe de campanha de Trump e a Rússia na campanha de 2016, ficou em terceiro lugar na classificação.

Últimas de Mundo & Ciência