Ex-advogado de Trump é sentenciado a três anos de prisão

Entre as acusações contra o advogado, estão pagamentos em dinheiro para silenciar duas mulheres que ameaçaram falar de seus supostos romances com o presidente em 2016. Esta semana, Trump tentou minimazar os pagamentos, dizendo que eram 'uma simples transação privada'

Por AFP

Ex-advogado de Donald Trump, Michael Cohen
Ex-advogado de Donald Trump, Michael Cohen -

Nova York - O ex-advogado do presidente Donald Trump, Michael Cohen, 52 anos, foi condenado nesta quarta-feira a três anos de prisão por um juiz federal de Manhattan.

"Era minha função encobrir seus atos sujos", afirmou o ex-conselheiro jurídico em relação ao ex-cliente. Cohen foi condenado em particular por ter comprado, em nome de Donald Trump, o silêncio de duas mulheres que teriam mantido um caso com ele.

Perante o juiz distrital William H. Pauley III, Cohen, disse que estava assumindo a responsabilidade por seus crimes, "inclusive aqueles que envolvem o presidente dos Estados Unidos da América".

Os advogados de Cohen haviam pedido que ele não fosse para a prisão depois de se declarar culpado de evasão de impostos, fazer declarações falsas a instituição financeira, realizar contribuições de campanha ilegais e mentir para o Congresso.

Mas o juiz Pauley o sentenciou a três anos de prisão.

Entre as acusações contra o advogado estão pagamentos em dinheiro para silenciar duas mulheres que ameaçaram falar de seus supostos romances com Trump durante a campanha eleitoral de 2016.

Trump tentou esta semana minimizar a importância dos pagamentos, dizendo que eram uma "simples transação privada" e que eram "equivocadamente" chamados de contribuições de campanha.

Últimas de Mundo & Ciência