Venezuela abre processo na OMC contra sanções de Trump

Nos próximos dois meses, venezuelanos e americanos terão de promover reuniões bilaterais na OMC para tratar do assunto. Caso não haja acordo, a entidade convocará três especialistas para julgar as medidas americanas e avaliar se a queixa da Venezuela procede

Por O Dia

Governo de Nicolás Maduro alega que leis adotadas pelos EUA são "incompatíveis" com os tratados da OMC sobre o fluxo de comércio
Governo de Nicolás Maduro alega que leis adotadas pelos EUA são "incompatíveis" com os tratados da OMC sobre o fluxo de comércio -

Caracas - A Organização Mundial do Comércio (OMC) informou nesta terça-feira, que diplomatas de Caracas abriram um processo contra as medidas adotadas pelo governo de Donald Trump que estabelecem sanções contra produtos e serviços venezuelanos.

Em sua queixa, o governo de Nicolás Maduro alega que leis adotadas pelos EUA no que se refere à solvência da dívida pública venezuelana, às transações em divisas digitais e às sanções contra pessoas na Venezuela e membros do governo são "incompatíveis" com os tratados da OMC sobre o fluxo de comércio.

Caracas também acusa os EUA de "impor certas medidas coercitivas de comércio num esforço para isolar economicamente a Venezuela".

Entre as medidas adotadas pelos americanos contra o regime venezuelano está o decreto presidencial de 18 de março de 2018, que impede toda a transação financeira com origem nos EUA que estiver relacionadas com a criptomoeda Petro, criada por Maduro

Dois meses depois, Trump emitiu novo decreto em que passou a impedir que Caracas vendesse determinados ativos financeiros venezuelanos. Na prática, a medida impediu que Maduro pudesse obter ingressos com a venda de certas entidades do governo venezuelano.

Em setembro, o Tesouro dos EUA ainda designou quatro membros do regime bolivariano e próximos de Maduro numa lista de sanções. Entre eles estava a primeira-dama Cilia Flores, além do presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello

Essas pessoas tiveram todas suas propriedades bloqueadas e passaram a ser proibidas de manter transações com qualquer empresa ou cidadão americano.

No dia 1 de novembro, mais um decreto presidencial de Washington passou a proibir todas as empresas americanas a manter relações comerciais com entidades ou indivíduos implicados na "venda corrupta do ouro" da Venezuela.

A série de sanções foi a forma encontrada por enquanto pelo governo americano, assim como por europeus, para tentar estrangular os recursos financeiros que mantém sobrevivência do regime bolivariano, apesar do caos e da crise humanitária.

Nos próximos dois meses, venezuelanos e americanos terão de promover reuniões bilaterais na OMC para tratar do assunto. Caso não haja acordo, a entidade convocará três especialistas para julgar as medidas americanas e avaliar se a queixa da Venezuela procede. Caso Maduro saia como vencedor, o governo Trump seria obrigado a rever suas medidas.

Nos últimos meses, porém, a Casa Branca tem deixado claro que quer uma reforma completa do sistema de disputas na OMC, alegando também que assuntos de segurança nacional não podem ser tratados pela entidade.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia