Incêndio feriu 74 pessoas e matou 74 no estado mexicano de Hidalgo  - AFP
Incêndio feriu 74 pessoas e matou 74 no estado mexicano de Hidalgo AFP
Por AFP

México - A explosão em uma tubulação de combustível no estado mexicano de Hidalgo deixou pelo menos 79 mortos 74 feridos e ocorreu no momento em que centenas de pessoas roubavam a gasolina que vazava do duto.

"Aos 73 mortos já contabilizados somam-se mais seis, e podemos dizer que 79 mexicanos morreram em consequência dessa explosão", disse o ministro da Saúde, Jorge Alcocer, em entrevista coletiva no palácio presidencial na capital do México.

De acordo com fontes hospitalares, 66 pessoas continuam internadas em Hidalgo e em localidades vizinhas. Os casos mais graves foram transferidos para a Cidade do México, pois exigem cuidados mais complexos, explicou o ministro.

"Há pacientes graves com queimaduras de mais de 80% (do corpo) e que já têm comprometimento de seu tecido interno", relatou Alcocer.

"É uma tragédia que nos dói muito. Estamos aqui para oferecer todo o apoio, ajuda aos moradores, às pessoas afetadas, às vítimas", disse o presidente Andrés Manuel López Obrador em entrevista coletiva ao lado do governador de Hidalgo, Omar Fayad, após visitar a área do desastre.

Ele acrescentou que esta tragédia não muda sua estratégia contra o roubo de combustível e demonstra "infelizmente a necessidade de mantê-la". "Continuaremos a erradicar essa prática", enfatizou.

A explosão ocorreu na noite de sexta-feira na comunidade de Tlahuelilpan, na localidade de Hidalgo, a cerca de 120 km da capital, depois de que traficantes de combustível perfuraram um duto e cerca de 700 pessoas se lançaram para roubar gasolina. O incêndio subsequente foi extinto pouco antes da meia-noite de sábado.

"O que sabemos é que havia o vazamento e uma atividade clandestina que já estava sendo resolvida pelas autoridades competentes", explicou Omar Fayad.

Cerca de 25 militares foram à zona quando se reportou que o duto tinha sido perfurado, mas não conseguiram fazer os moradores deixarem o local, relatou o secretário de Defesa, Luis Crecencio Sandoval, na coletiva de imprensa realizada no Palácio Nacional da capital.

Imagens da TV local mostraram dezenas de pessoas roubando o combustível, que jorrava do duto. Horas depois, no início da noite, foram gravadas as primeiras imagens do incêndio, com pessoas fugindo apavoradas e pedindo socorro aos gritos em função da explosão ocorrida em seguida.

Os corpos carbonizados permanecem na posição em que morreram - alguns com braços ou com uma perna levantada - enquanto especialistas trabalham na área em sua identificação.

Em Tlahuelilpan, familiares disseram à AFP que insistiram com os peritos para que continuassem as buscas de vítimas.

"Pedimos a eles que buscassem em toda área, porque ainda há corpos", afirmou Citlali Trejo, de 36 anos, que procura o irmão. No local, cercado por plantações, elementos do Exército e da Polícia isolaram a área, enquanto unidades de bombeiros trabalhavam entre colunas de fumaça.

Pelo Twitter, a secretária americana de Segurança Interna, Kirstjen Nielsen, manifestou suas condolências às vítimas e disse que sua pasta está pronta para ajudar o governo mexicano. O incêndio se originou em torno de um vazamento de gás que atraiu dezenas de moradores da região para roubar combustível.

"Muitas pessoas vieram com seus garrafões por causa da escassez de gasolina", afirmou Martín Trejo, outro morador de 55 anos, que atribui o que aconteceu à estratégia nacional para evitar o roubo, que inclui o fechamento de importantes oleodutos.

"A explosão em Tlahuelilpan, Hidalgo, resultou da manipulação de uma retirada clandestina de combustível no oleoduto Tuxpan-Tula. Este acidente não afeta o fornecimento de gasolina na Cidade do México", informou a petroleira estatal Petróleos Mexicanos (Pemex). Esse gasoduto é um dos principais alvos dos saqueadores, explicou o diretor da Pemex, Octavio Romero.

A empresa também relatou a ocorrência de outro incêndio por roubo de combustível em uma área deserta do estado de Querétaro (centro), sem risco para a população. O acidente ocorre no momento em que o governo do presidente López Obrador executa uma estratégia nacional contra o "huachicoleo", ou roubo de combustível, delito que tem gerado perdas anuais de 3 bilhões de dólares ao país, segundo dados oficiais.

O presidente atribuiu o fato de famílias inteiras estarem envolvidas no "huachicoleo" ao abandono do governo e à impossibilidade de satisfazerem necessidades básicas.

"Temos a convicção de que o povo é bom, é honesto", disse López Obrador, que visitará, esta semana, as zonas onde esse crime se generalizou para "convencer" os moradores.

O plano contra o roubo de combustível é a primeira grande ofensiva de López Obrador contra esse crime, desde que assumiu o cargo, em 1º de dezembro.

O fechamento de dutos foi amenizado pela distribuição em navios-tanque, um sistema que causou escassez de combustível em vários dos 32 estados que compõem o México. Fila quilométricas foram registradas em áreas onde falta combustível, embora na capital tenha sido regularizada.

Analistas econômicos alertaram que essa escassez provoca uma queda na produtividade que afetará a economia.

O banco Citibanamex, um dos maiores do país, estimou na quarta-feira em 39 bilhões de pesos (2,054 bilhões de dólares) a perda bruta do PIB atribuída à escassez de combustível, "supondo que as condições voltem ao normal nos próximos dias", afirmou.

Você pode gostar
Comentários