Alfred Chesnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins após a libertação em Baltimore, nos Estados Unidos em 25 de novembro de 2019  - AFP photo/ Miap/ Todd Kimmelman
Alfred Chesnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins após a libertação em Baltimore, nos Estados Unidos em 25 de novembro de 2019 AFP photo/ Miap/ Todd Kimmelman
Por AFP
Washington - Três homens negros de Baltimore, no leste dos Estados Unidos, que passaram 36 anos na prisão, foram inocentados nesta segunda-feira da morte de um adolescente em 1983.

"Estes três homens foram condenados quando eram jovens por uma ação irregular da polícia e da promotoria", disse a procuradora do estado de Baltimore Marilyn Mosby, após o trio ser formalmente inocentado por um juiz local e libertado da prisão.

Galeria de Fotos

Ransom Watkinsposa com membros da associação Mid-Atlantic Innocence Project após sua libertação em Baltimore em 25 de novembro de 2019 AFP photo/ Miap/ Todd Kimmelman
Alfred Chesnut abraça sua mãe após sua libertação em Baltimore, nos Estados Unidos em 25 de novembro de 2019 AFP photo/ Miap/ Todd Kimmelman
Alfred Chesnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins após a libertação em Baltimore, nos Estados Unidos em 25 de novembro de 2019 AFP photo/ Miap/ Todd Kimmelman


Alfred Chestnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins cumpriam prisão perpétua pela morte de Dewitt Duckett, um estudante de 14 anos, na escola Harlem Park de Baltimore.

Duckett tomou um tiro no pescoço dentro da escola e teve sua jaqueta da Universidade de Georgetown roubada.

Foi o primeiro ataque a tiros fatal envolvendo um estudante em uma escola pública de Baltimore, e isto chamou a atenção da imprensa.

"Merecem muito mais que uma desculpa. Devemos a eles uma indenização real, e vou lutar por eles", disse Mosby.

Inicialmente, testemunhas apontaram para apenas um autor do crime, mas a polícia coagiu as pessoas para que denunciassem "os três homens, todos adolescentes negros de 16 anos (...), para montar o caso".

Após o crime, Chestnut foi visto com uma jaqueta da Georgetown, mas sua mãe apresentou o recibo da compra, o que foi ignorado pelos investigadores.