Governo da Rússia ataca a liberdade de religião ao perseguir as Testemunhas de Jeová

Seguidores foram acusados de organizar, participar ou financiar a atividade de uma organização considerada 'extremista'

Por O Dia

Vladimir Alushkin foi preso na Rússia
Vladimir Alushkin foi preso na Rússia -
Autoridades russas estão intensificando seu ataque contra as Testemunhas de Jeová, em uma campanha com prisões e, às vezes, torturas. Em 31 de dezembro de 2019, havia 32 Testemunhas de Jeová presas ou condenadas à prisão, outras 28 em prisão domiciliar e outras 121 que não podiam sair de sua cidade. Todos foram acusados de organizar, participar ou financiar a atividade de uma organização considerada 'extremista'. Pelo menos 300 Testemunhas de Jeová, entre 20 e 89 anos de idade, estão sob investigação.

O caso mais recente, ocorreu na manhã de 13 de Dezembro de 2019, quando um tribunal de Penza (Rússia), condenou Vladimir Alushkin, a seis anos de prisão. Após a sentença, ele foi imediatamente algemado e posto sob custódia. Outras cinco Testemunhas de Jeová, incluindo a esposa dele, foram sentenciadas a dois anos de prisão. Ele foi detido em 15 de Julho de 2018, quando policiais mascarados e armados invadiram sua casa. Eles vasculharam o apartamento por horas, confiscando celulares, eletrônicos e Bíblias. Autoridades fizeram buscas em outras 5 casas de Testemunhas de Jeová nesse dia e levaram cerca de 40 delas para interrogatório.
Em 15 de fevereiro de 2019, em Surgut, autoridades policiais torturaram sete homens Testemunhas de Jeová depois de terem feito buscas nas casas de várias delas na região. As vítimas foram forçadas a tirar a roupa, sufocadas, encharcadas com água, espancadas e receberam choques elétricos. A tortura aconteceu no primeiro andar do escritório da Comissão de Investigação Russa, em Surgut. Eles estavam sendo investigados por supostamente 'organizar a atividade de uma organização extremista'.
Oficiais tentam justificar suas ações com base na proibição da entidade jurídica das Testemunhas de Jeová pela Suprema Corte (não de indivíduos praticarem sua fé) que ocorreu em abril de 2017 e por meio da má aplicação do artigo 282 do Código Penal. Policiais armados invadem as casas de Testemunhas de Jeová, muitas vezes apontando armas para as cabeças delas —incluindo crianças e idosos— e as forçam a se deitar no chão.
Desde 2017, as autoridades russas têm confiscado as propriedades das Testemunhas de Jeová e invadido suas reuniões pacíficas e seus lares. Entidades internacionais de proteção aos direitos humanos e especialistas têm denunciado o desrespeito à liberdade individual por parte das autoridades russas. O Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária (WGAD) condenou a perseguição sistemática às Testemunhas de Jeová na Rússia.
Essas pessoas foram presas apenas por estarem praticando sua fé de modo pacífico ou compartilhando suas crenças com outros.Isso continua acontecendo, apesar de autoridades russas terem garantido que essa proibição do governo não seria contra a liberdade individual dos cidadãos de praticarem sua fé. Teme-se que outros grupos religiosos possam ser atacados também.
As Testemunhas de Jeová esperam que os tribunais internacionais tomem ação adicional para acabar com o ataque da Rússia à sua liberdade religiosa e as violações de direitos humanos.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários