Estudo estima que o limiar de imunidade coletiva ao novo coronavírus - Divulgação
Estudo estima que o limiar de imunidade coletiva ao novo coronavírusDivulgação
Por AFP
Genebra - A França decidiu nesta sexta-feira (24) exigir que turistas de 16 países nos quais o novo coronavírus circula ativamente façam testes para a covid-19, e desaconselhou que seus cidadãos visitem a Catalunha, em um momento em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) se disse "preocupada" com o reaparecimento de casos de covid-19 em vários países europeus.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, informou que pessoas de uma lista de países - os quais alguns as fronteiras ainda estão fechadas - devem apresentar um "teste que comprove que não possuem o vírus para poder embarcar nos respectivos voos".

Entre os países com restrições estão os Estados Unidos e o Brasil, os dois mais afetados no mundo, e o Peru, o segundo com o maior número de casos na América Latina. A Índia, que registrou 740 novas mortes nesta sexta, aumentando o balanço oficial para 30.601, também foi incluída na lista.

Castex também recomendou que os franceses evitem viagens à região espanhola da Catalunha, onde novos surtos do vírus foram registrados há alguns dias, "enquanto a situação de saúde não melhore".
Os novos surtos na Europa, região que registra até o momento 207.000 mortes e mais de 3 milhões de casos, levantou novas preocupações da OMS, que pediu cautela ao elevar restrições.

"O ressurgimento recente de casos em alguns países que levantaram medidas de distância social é realmente uma preocupação (...) As restrições devem ser cuidadosamente removidas. Onde houver surtos, deve haver uma reação rápida e bem dirigida, isolamentos, rastreamento de casos e quarentenas", disse uma porta-voz da OMS-Europa à AFP.

A Noruega voltou a impor restrições, dessa vez relacionadas a viagens à Espanha, destino popular entre seus cidadãos. A partir das 22H00 GMT (19h de Brasília), uma quarentena de dez dias será imposta aos que entrarem no país vindos de território espanhol, onde a pandemia causou até o momento 28.426 mortes.

A Alemanha, por sua vez, decidiu nesta sexta começar a fazer testes gratuitos nos turistas que chegarem ao seu território.

Em termos proporcionais, a Bélgica, que registra 64.847 casos e mais de 9.800 mortes, é um dos países com o maior número de óbitos por COVID-19, com 85 vítimas fatais por 100.000 habitantes.