Pergaminho milionário de Mao Tsé Tung é cortado ao meio após roubo

Polícia recuperou o artefato, manuscrito pelo fundador da República Popular da China

Por O Dia

Pergaminho é avaliado em cerca de US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão) por seu proprietário
Pergaminho é avaliado em cerca de US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão) por seu proprietário -
Um pergaminho com estrofes de poesia manuscritas por Mao Tsé Tung, fundador da República Popular da China, foi encontrado após ter sido roubado e cortado a meio. A obra é avaliada em cerca de 300 milhões (R$ 1,6 bilhão) por seu proprietário, o colecionador de selos e de arte revolucionária chinês Fu Chunxiao. De acordo com a polícia de Hong Kong, o artefato havia sido cortado ao meio por ser muito longo para ser exposto. As informações são do portal “G1”.
O pergaminho havia sido roubado da casa de Fu Chunxiao no dia 10 de setembro, juntamente com outras peças importantes como selos antigos, moedas de cobre e outras obras de caligrafia do líder chinês Mao. O proprietário avalia prejuízo de 645 milhões (R$ 3,6 bilhões) com o roubo. Além disso, de acordo com ele, o corte no pergaminho de Mao Tsé Tung reduziu definitivamente o valor da peça.
Roubo
O grande assalto foi feito por três ladrões, que invadiram a casa de Fu Chunxiao e levaram os artefatos para venda clandestina. Um dos compradores, ao saber da procura da polícia, se entregou com os dois pedaços do pergaminho. De acordo com o jornal "South China Morning Post", ele acreditava que a obra de arte era falsa e a havia comprado por US$ 64 (R$ 360).
Ainda não se sabe claramente, porém, quem cortou a peça em dois pedaços. O comprador foi preso por lidar com propriedade roubada, assim como um dos ladrões - os outros dois ainda estão foragidos.