Potencial de geração de empregos é alto, fábrica ficará nem perto de Itaguaí e pode aumentar a empregabilidade do cidadão - Reprodução internet - site da Fiocruz
Potencial de geração de empregos é alto, fábrica ficará nem perto de Itaguaí e pode aumentar a empregabilidade do cidadãoReprodução internet - site da Fiocruz
Por O Dia
A vacina que está sendo desenvolvida pela farmacêutica Novavax, nos Estados Unidos, tem no Chile uma de suas principais substâncias. Pesquisadores da Desert Kling, empresa chilena de biotecnologia, utilizam uma substância extraída da casca e da madeira de uma árvore nativa chamada quilaia. A partir disso, produzem o princípio ativo utilizado no imunizante norte-americano.
A quilaia (Quillaja saponaria) é também conhecida como árvore de casca de sabão e contém em sua casca cinza e rachada compostos chamados saponinas: tensoativos naturais à base de plantas, ou seja, substâncias semelhantes a sabão que, ao entrarem em contato com a água, desenvolvem uma espuma estável. As saponinas diminuem a tensão superficial dos líquidos e podem ligar substâncias que normalmente se repelem, como água e gordura.
Publicidade
No desenvolvimento da vacina, dois tipos de saponinas presentes na quilaia exercem papel importante, de acordo com análise da Desert Kling: transportar o antígeno, que ativa as defesas do corpo, até as células. Substâncias que exercem tal função são denominadas “adjuvantes”.
Sabedoria indígena
Publicidade
Desde o século 17, o povo indígena mapuche, nativo do Chile, conhece as propriedades curativas da casca e das flores do Küllay, como eles chamam a árvore. A espécie pode atingir 20 metros de altura e ter um tronco de até 1,5 metro de diâmetro.
Na medicina mapuche, o extrato da casca é tradicionalmente utilizado como expectorante em casos de doenças respiratórias. Uma infusão ou tintura alcoólica de suas flores também é usada para tratar doenças reumáticas, enquanto o extrato de sua casca pode ajudar contra doenças estomacais.
Publicidade
Graças às suas propriedades saponáceas, a casca foi usada como xampu natural no passado. Hoje, a substância espumante também é usada na indústria alimentícia, por exemplo, na produção de cerveja e outras bebidas.
Vacina Novavax
Publicidade
Em 25 de setembro, a Desert King anunciou que a vacina entrou na fase 3 de testes, tornando-se assim uma das onze pesquisas a alcançarem tal etapa no mundo inteiro. Até 10 mil voluntários com idades entre 18 e 84 anos deverão participar do estudo.
O diretor administrativo da Desert King, Andrés González, acredita que a empresa farmacêutica poderá começar a produzir as doses da vacina já no início de 2021, após a conclusão do estudo de fase 3. Contudo, não é possível prever atualmente quando uma imunização contra o coronavírus estará de fato disponível e como sua distribuição será regulada.