Jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil - Fernando Frazão/abr
Jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept BrasilFernando Frazão/abr
Por iG
São Paulo - Glenn Greenwald, jornalista americano, anunciou sua saída do The Intercept, site que ajudou a fundar em 2013, na tarde desta quinta (29) por meio de uma nota oficial.

Segundo Glenn, o motivo de sua saída ocorreu por conta de censura de editores do site, que recusaram a postagem de uma coluna em que o jornalista criticava o democrata Joe Biden, candidato à presidência dos Estados Unidos.

"A causa final (da saída) foi que os editores do The Intercept, violando meu direito contratual de liberdade editorial, censuraram um artigo que escrevi nesta semana, se recusando a publicar a não ser que eu removesse todas as partes em que o candidato democrata Joe Biden era criticado, já que todos os editores novaiórquinos do Intercept envolvidos nesa supressão apoiam veementemente o candidato", afirmou na nota.

Glenn afirma que nesta coluna seriam revelados emails e depoimentos de testemunhas que levantariam dúvidas acerda da conduta de Biden:

"O artigo censurado, com base em e-mails revelados recentemente e depoimentos de testemunhas, levantou questões críticas sobre a conduta de Biden. Não contentes em simplesmente impedir a publicação deste artigo no meio de comunicação que eu co-fundei, esses editores da Intercept também exigiram que eu me abstivesse de exercer um direito contratual separado de publicar este artigo com qualquer outra publicação", completa Greenwald.

O jornalista ganhou notoriedade no Brasil após a versão brasileira do Intercept publicar diversas conversas do ex-ministro Sérgio Moro e do ex- procurador da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol , as matérias foram intituladas de " Vaza Jato".