Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson frisou que "não é o fim da nossa luta nacional contra o coronavírus" - AFP
Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson frisou que "não é o fim da nossa luta nacional contra o coronavírus"AFP
Por ESTADÃO CONTEÚDO
O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou nesta segunda-feira, 23, em entrevista coletiva que não haverá vacinação compulsória no país contra a covid-19. "Não é assim que as coisas funcionam aqui", disse. Ele reforçou a importância de buscar com que todos sejam imunizados e comentou que foram compradas 100 milhões de doses da vacina da AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. No total, o país terá mais de 300 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, incluindo as da Pfizer em conjunto com a BioNTech.
"Fantásticas notícias, mas ainda levará meses para a vacinação necessária. Os próximos meses serão duros", disse Johnson em referência ao inverno, e citando as medidas de restrição aplicadas regionalmente, previstas para durarem a principio até março. Johnson afirmou que há enorme desafio logístico na distribuição de vacinas, e que, no momento, realizar testes e isolar infectados é "crucial".
Publicidade
Falando de forma hipotética, e em um cenário otimista, o primeiro-ministro projetou que na Páscoa do próximo ano pode ser possível esperar a atividade econômica e rotineira com menos restrições, com a maior parte das pessoas no grupo de risco vacinadas.