O primeiro-ministro britânico disse, ainda, que uma nova variante do vírus faz com que seja transmitido "muito mais facilmente" - Reprodução/Internet
O primeiro-ministro britânico disse, ainda, que uma nova variante do vírus faz com que seja transmitido "muito mais facilmente"Reprodução/Internet
Por ESTADÃO CONTEÚDO
Inglaterra - O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e autoridades da União Europeia devem discutir a situação do comércio pós-Brexit mais tarde neste sábado, depois que os negociadores interromperam as negociações em vista de incapacidade de superar uma série de diferenças.

Com as discussões presas nas mesmas questões por meses, Johnson e Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia da UE, verão se há um caminho para um acordo.

Com o período de transição pós-Brexit do Reino Unido previsto para terminar no fim do ano, as discussões estão enfrentando um ponto crítico, até pelas aprovações necessárias exigidas de ambos os lados. Sem um acordo, tarifas acabarão sendo impostas a bens comercializados no início de 2021.

Meses de negociações produziram acordo em uma série de questões, mas diferenças sérias permanecem sobre o "campo de jogo nivelado" - os padrões que o Reino Unido deve reunir para exportar para o bloco - e como serão resolvidas as disputas futuras. Isso é fundamental para a UE, que teme que o Reino Unido reduza padrões sociais e ambientais e injete dinheiro estatal nas indústrias locais, tornando-se um rival econômico de baixa regulamentação na porta do bloco.

O negociador-chefe da UE, Michel Barnier, e seu homólogo britânico, David Frost, concordaram na sexta-feira em "pausar" as negociações enquanto informam seus respectivos líderes políticos. "Vamos manter a calma como sempre e, se houver um caminho, ainda um caminho, veremos", disse Barnier no sábado de manhã.

Embora o Reino Unido tenha deixado a UE em 31 de janeiro, ele permanece dentro do mercado único livre de tarifas e da união aduaneira do bloco até o fim deste ano. Um acordo comercial até lá garantiria que não houvesse tarifas e cotas no comércio de mercadorias entre os dois lados, mas ainda haveria custos técnicos, em parte associados a controles aduaneiros e barreiras não tarifárias aos serviços.

Embora ambos os lados sofreriam economicamente com a falha em garantir um acordo de comércio, a maioria dos economistas acredita que a economia britânica seria mais atingida, pelo menos no curto prazo, pois é relativamente mais dependente do comércio com a UE do que vice-versa.