Segundo a polícia, Zhukova iniciou a série de crimes após a morte do marido, em 2005

 - Reprodução
Segundo a polícia, Zhukova iniciou a série de crimes após a morte do marido, em 2005 Reprodução
Por O Dia
Moscou - A idosa Sofya Zhukova, de 81 anos, conhecida por distribuir "petiscos gelatinosos feitos de carne de pessoas que ela teria assassinado", morreu vítima da covid-19. A mulher faleceu na prisão, na Rússia, enquanto aguardava o julgamento por pelos menos três assassinatos. Os investigadores suspeitam que pode haver mais quatro vítimas da serial killer. As informações são do jornal britânico The Mirror

Segundo a polícia, uma menina de 8 anos está entre as suas vítimas. A criança foi supostamente morta após ter jogado sorvete na aposentada, depois de receber ordens para ficar quieta. Policiais encontraram intestinos humanos na geladeira da idosa, quando a prenderam. 
Por isso, Zhukova ganhou o apelido de "Sweeney Todd Russa" - conto vitoriano britânico sobre um barbeiro que vende tortas feitas com carne humana. O personagem foi interpretado por Johnny Depp no cinema. 
Publicidade
Restos mortais
Alguns fragmentos de restos mortais encontrados na casa foram identificados como pertencentes à criança de 8 anos, chocando a mãe da menina, Natalya Alekseenko, de acordo com o jornal The Mirror. Mesmo quando Zhukova apareceu em tribunal, a mãe se recusou a aceitar que a sua filha estivesse morta.

A investigação aponta que Zhukova iniciou a série de crimes após a morte do marido, em 2005.

A polícia prendeu a serial killer depois que o zelador Vasily Shlyakhtich, de 52 anos, que havia alugado um quarto no apartamento de Sofya no vilarejo de Berezovka (Khabarovsk, Rússia), desapareceu misteriosamente em janeiro de 2019.

Moradores locais contaram que a mulher passou anos trabalhando como operária e era forte para sua idade, e muitas vezes carregava um machado com ela. Eles sempre reclamaram que ela costumava matar gatos na vizinhança, mas nunca suspeitaram que ela também matasse pessoas.